Vitória de Obama leva otimismo ao Planalto

A eleição de Barack Obama foi celebrada no Brasil como prenúncio de mudanças para melhor nas já saudáveis relações políticas e econômicas entre os dois países. O presidente Lula, que nunca escondeu sua simpatia pelo candidato democrata, foi convencido de que a vitória de Obama, ao contrário do que alguns setores do próprio governo acreditam, embute bons prognósticos de benefícios comerciais ao país.

A expectativa favorável se consolidou depois de encontros ocorridos ao longo da campanha entre diplomatas brasileiros e assessores de Obama. O candidato democrata disse que, se eleito, tem dois projetos imediatos de interesse direto do Brasil. O primeiro, no campo político, é reaproximar os Estados Unidos de países da América Latina, como Venezuela e Bolívia. O Brasil seria o interlocutor escolhido dos americanos para essa tarefa.

O segundo, no campo econômico, é diminuir a dependência de seu país do petróleo, incentivando o uso e a produção do etanol. O Brasil seria o principal parceiro na empreitada e se livraria das barreiras protecionistas americanas.

Apesar do entusiasmo que a eleição de Barack Obama naturalmente despertou, a história mostra que os presidentes americanos, sejam eles democratas ou republicanos, costumam sempre acenar com boas intenções ao Brasil.

Em 1960, o republicano Dwight Eisenhower encontrou-se com Juscelino Kubitschek, prometeu ajuda financeira e avalizou o reatamento do Brasil com o FMI. Nada aconteceu. O democrata Bill Clinton, entre outras promessas, se comprometeu a inserir o Brasil no mundo globalizado através de um pacto de cooperação econômica e militar com os Estados Unidos e a Inglaterra. De novo, nada aconteceu. Desta vez, contudo, o Palácio do Planalto e o Itamaraty acham que o cenário é diferente.

X