Valor da produção recua 14% em Mato Grosso

O Valor Bruto da Produção (VBP) nas principais lavouras de Mato Grosso deve apresentar redução de 14,5% neste ano comparando com 2009. A queda é apontada no estudo mensal feito pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) que toma como base os primeiros levantamentos de safra da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os números, divulgados nesta terça-feira (16), mostram que o montante gerado pela produção estadual deve reduzir de R$ 21,3 bilhões para R$ 18,2 bilhões.

Apesar da queda, o valor bruto da produção agrícola de Mato Grosso ainda se destaca como uma das maiores do país, ocupando a 3º posição no ranking nacional, atrás de São Paulo (R$ 30,6 bilhões) e Paraná (R$ 22,3 bilhões). Para o diretor-administrativo da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja/MT), Carlos Henrique Fávaro, as culturas mato-grossenses devem sofrer redução incentivadas, principalmente, pela migração do plantio do algodão, ao invés da soja e do milho. No entanto, ele acrescenta que o índice estimado pelo setor não deve passar de 2 dígitos.

Conforme o Mapa, a redução no VBP prevista para 2010 mantém o desempenho observado desde 2008, quando o custo alcançou R$ 23,8 bilhões. Para este ano, as lavouras de soja, milho e arroz devem incentivar o resultado negativo. A previsão é que o valor bruto para a produção da oleaginosa caia de R$ 13,4 bilhões para R$ 10 bilhões. O montante do milho também deverá ser menor, passando de R$ 2,2 bilhões para R$ 1,7 bilhão. O mesmo deve ocorrer com o arroz, que baixará de R$ 562 milhões para R$ 408 milhões neste ano.

Por outro lado, os valores produção do algodão e da cana-de-açúcar deverão ficar mais caros, respectivamente, em 27,54% e 20,89%. O levantamento do Mapa mostra que a valor bruto da produção da pluma irá passar de R$ 3,6 bilhões para R$ 4,6 bilhões, enquanto que a da cana-de-açúcar saltará de R$ 525 milhões para R$ 635 milhões.

O diretor-executivo do Sindicato das Indústrias sucroalcooleiras de Mato Grosso (Sindalcool), Jorge dos Santos, explica que a valorização do preço final do açúcar tem repercutido positivamente na rentabilidade do produtor. Mas ele destaca que o cenário ainda é de incerteza para a safra 2011/2012, que começa em abril. “A estiagem provocou grandes estragos, no entanto, ainda não sabemos se poderá afetar a produção”.

Brasil – A primeira estimativa de Valor Bruto da Produção (VBP) para 2011 é de R$ 175 bilhões, 3,31% acima do valor obtido em 2010. O coordenador de Planejamento Estratégico do Mapa, José Gasques, defende que, apesar de as pesquisas de safra indicarem produção de grãos ligeiramente inferior à do ciclo 2009/2010, produtos como algodão, arroz e feijão mostram, nas primeiras estimativas, desempenhos bastante favoráveis.

Já a previsão do VBP para 2010 se aproxima do dado real, que será divulgado em janeiro de 2011. Por enquanto, o valor da produção, com base nas estimativas de safras do mês de outubro, é de R$ 169,41 bilhões para 2010. Esse número é 1,5 % superior ao obtido em 2009 e o segundo maior em uma série desde 1997, inferior apenas aos R$ 173,1 bilhões de 2008.

Gasques explica que esse valor é resultado da combinação ocorrida em 2010: baixos preços de produtos agrícolas e safra recorde de grãos (148,75 milhões de toneladas). O resultado do VBP foi garantido principalmente pelo café e pela cana-de-açúcar, que juntos representaram 27,6% do valor da produção do ano. Outros produtos que também tiveram bom desempenho neste ano foram banana, batata inglesa, cebola, laranja e o trigo, pois apresentaram expressivos aumentos de valor da produção em relação a 2009.

Gazeta Digital

Autor: Vívian Lessa

X