Usinas de outros países estudam ampliar uso de tecnologia brasileira

A participação de representantes de usinas da África do Sul, Argentina, Belize, Bolívia, Costa Rica, Cuba, Equador, Guatemala e Peru, nas rodadas de negócios internacionais promovidas pelo Projeto Brazil Sugarcane Bioenergy Solution durante a Fenasucro & Agrocana 2018, confirmaram o interesse das usinas estrangeiras em ampliar o uso de tecnologia brasileira.

O Pantaleon, com sede na Guatemala e controlador de unidades produtoras no México, Honduras, Nicarágua e no Brasil, foi um dos grupos sucroenergéticos participantes do evento.

O Pantaleon possui duas unidades produtoras na Guatemala. No Brasil, a empresa é sócia da Usina Vale do Paraná, localizada em Suzanápolis (SP).

Illovo Sugar

Representante da companhia sucroenergética Illovo Sugar também indicou interesse por tecnologia brasileira durante sua participação nas rodadas de negócios do Projeto Brazil Sugarcane durante a Fenasucro & Agrocana, realizada entre os dias 21 e 24 de agosto.

“Possuímos cinco engenhos de cana-de-açúcar, uma refinaria, duas destilarias e uma planta de produção de melaço e estamos presentes em vários países, como: Moçambique, Zâmbia, Tanzânia, Suazilândia e Malawi. É a primeira vez que venho nessas rodadas de negócios e gostei muito, pois conheci muitas inovações interessantes que podem ser implantadas na Illovo Sugar, que ainda não possui tecnologia brasileira”, contou Ashveer Raghunandan, chefe de processo e tecnologia da empresa sediada em Durban, na África do Sul, em relato distribuído pela assessoria do Projeto Brazil Sugarcane.

Balanço das rodadas

O Projeto Brazil Sugarcane Bioenergy Solution, parceria entre o Arranjo Produtivo Local do Álcool (Apla) e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) trouxe delegações internacionais as rodadas de negócios internacionais.

Segundo a assessoria do Projeto Brazil, as rodadas contaram com a participação de 60 empresas brasileiras vendedoras e 20 convidados estrangeiros vindos da África do Sul, Argentina, Belize, Bolívia, Costa Rica, Cuba, Equador, Guatemala e Peru. Durante os quatro dias de evento, foram registrados cerca de USD 71 milhões em expectativas de negócios, que podem ser efetivados nos próximos 12 meses.

Nos quatro dias de evento, foram geradas oficialmente 616 reuniões para promoção de toda a cadeia produtiva da cana-de-açúcar brasileira.

“Os resultados das rodadas foram excelentes. Além da expectativa de negócios para os próximos 12 meses, um dos compradores adiantou as negociações visando investimentos para 2019-2020, que podem gerar oportunidades de US$ 30 milhões adicionais aos resultados apresentados. Ações como essa que realizamos na Fenasucro têm a finalidade de aumentar os destinos da exportação brasileira, ampliar mercado externo e construir relacionamento com potenciais clientes”, explicou o diretor-executivo do Apla, Flavio Castellari.

 

X