Usina Coruripe alonga prazo para pagamento de dívidas

A Usina Coruripe, que conta com cinco unidades de processamento de cana distribuídas em Alagoas e Minas Gerais, fechou um acordo com bancos credores para alongar R$ 1,9 bilhão em dívidas, que representam 85% de seu endividamento líquido total. Com o acordo, que será operacionalizado no próximo dia 17, o prazo médio de vencimento de toda a dívida líquida da companhia foi estendido de dois anos e meio para cinco anos e meio.

A negociação foi feita porque essa parte da dívida venceria neste e no próximo ano, o que representava uma dívida “muito elevada com vencimento no curto prazo”, explicou Jucelino Sousa, diretor presidente da Usina Coruripe, ao Valor.

O acordo foi fechado na sexta-feira passada com Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Rabobank, ABN, Citibank, Votorantim, HSBC, Metlife, ABC e Santander.

As dívidas que a usina tem com o BNDES e outros bancos estatais, e que presentam os demais 15% de seu endividamento líquido, não foram renegociadas porque já têm prazo mais longo de vencimento.

A dívida líquida total da companhia, que soma R$ 2,2 bilhões, representa atualmente 2,8 vezes o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda). Essa relação, segundo Sousa, ainda “é grande, mas administrável”.

O foco desta safra é continuar reduzindo a alavancagem, que deve encerrar a safra atual em 2,5 vezes e se aproximar do “ideal”, 2 vezes, na temporada 2017/18, de acordo com o executivo.

Na safra 2015/16, a Usina Coruripe processou 14,2 milhões de toneladas de cana-de-açúcar e registrou um faturamento de R$ 2,04 bilhões, além de um Ebitda de R$ 830 milhões.

Sousa espera que as cinco unidades utilizem o máximo da capacidade instalada na safra atual, moendo 14,5 milhões de toneladas. A expectativa do executivo é de que a receita do grupo suba para R$ 2,34 bilhões, e o Ebitda avance para R$ 950 milhões a R$ 970 milhões.

(Fonte: Valor)

X