Testes aprovam motor flex-fuel

A revista Quatro Rodas, uma das principais sobre automobilismo do País, testou, com exclusividade, o Gol Total Flex, movido a gasolina e/ou álcool e ainda com percentual de mistura dos combustíveis como decidir o consumidor. E os números confirmaram as previsões otimistas. Os números de consumo ficaram bem próximos aos do Gol Power 1.6 a álcool e a gasolina, testados na edição de outubro do ano passado: Com álcool puro, o Total Flex fez 5,29 km/l em trecho urbano e 10,29 em rodovia.

Já com gasolina, os números foram 7,64 km/l e 12,91. Já com a mistura 50/50, o carro fez 6,37 km/l na cidade e 11,23 km/l na estrada. Na página 27, há o resultado de uma pesquisa feita no site da revista, após a matéria do Gol Total Flex, indicando que 93% dos participantes da pesquisa comprariam o veículo.

Já a edição 456, de maio, da revista Autoesporte publicou quatro matérias sobre os lançamentos de veículos “Flexible-Fuel” de três das quatro principais montadoras do País (Volkswagen, Fiat e GM). A revista destaca para o pioneirismo da Volks em lançar o Gol Total Flex 1.6, seguida pela Fiat que apresentou para imprensa o Palio 1.3 multicombustível.

Em ambos os casos, a Autoesporte averiguou nos testes de pista que, por se tratar do mesmo sistema de reconhecimento de combustível desenvolvido pela Magnetti Marelli, o desempenho dos veículos utilizando apenas álcool é superior, principalmente nas retomadas, mas destacou que a diferença está mesmo no preço na bomba.

Com relação à GM, a revista destaca que a montadora quer compensar o atraso em relação à Volkswagen oferecendo uma linha mais ampla de veículos com motores flex-fuel, e o primeiro lançamento será o Corsa 1.8 flex-fuel.

X