Suspenso, leilão da Usina Revati aguarda nova data

Grupos sucroenergéticos interessados em comprar a Usina Revati, da Renuka do Brasil, esperam pela divulgação de nova data para o leilão da unidade produtora, localizada no município de Brejo Alegre (SP).

Anteriormente marcado para 04/09, o leilão foi suspenso a pedido do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), titular de garantias hipotecárias da companhia.  Como titular de garantias, o BNDES pode pedir suspensão do processo.

A informação sobre a suspensão do leilão foi divulgada primeiramente pela Agência Reuters.

 

Renuka

A Renuka do Brasil, controlada pela indiana Shree Renuka Sugars e em regime de recuperação judicial, publicou em 04/07 o edital para o leilão judicial da usina Revati, conforme previsto no plano de recuperação judicial aprovado em assembleia de credores.

Os lances pela usina, convertida em unidade produtiva isolada (UPI), deveriam ser apresentados até 4 de setembro. Não foi estipulado um lance mínimo.

O edital previa que os atuais acionistas da companhia terão o direito de preferência para adquirir a totalidade da UPI Revati. A Shree São Paulo e o minoritário Halpink podem ceder seu direito de preferência para a Shree Brasil ou para a Shree Renuka Global Ventures.

A unidade tem capacidade moagem de até 4,5 milhões de toneladas de cana por safra e capacidade de cogeração de energia de até 157 megawatt (MW).

A produção de açúcar é basicamente do tipo VHP, que pode chegar até a 1,35 mil toneladas por dia. Também podem ser fabricados até 900 mil iltros de etanol hidratado ao dia, podendo ser convertidos para etanol anidro através de peneiras moleculares.

A unidade conta ainda com uma fábrica de levedura seca, onde podem ser produzidas até 10 mil toneladas por safra com teor proteico de até 43%.

X