Software faz usina obter R$ 2,1 milhões com redução de vapor

Douglas Mariani, consultor da Soteica, no curso da ProCana/Sinatub (Foto: Alessandro Reis)

A Baldin Bioenergia, controladora de duas unidades produtoras no interior paulista, projeta ganho de R$ 2,131 milhões com a redução de vapor.

Essa redução é permitida com o software S-PAA, implantado na companhia sucroenergética pela Soteica.

A informação foi prestada pelo consultor de negócios da Soteica, Douglas Castilho Mariani, na quarta-feira (21/06), durante sua participação no Curso de Caldeiras, Vapor e Energia realizado na quarta-feira e na quinta-feira (22/06) pela ProCana Sinatub em Sertãozinho (SP).

Leia também: 6 vantagens de realizar retrofit em caldeira à biomassa

Segundo Mariani, o ganho da Baldin com redução de vapor leva em conta uma safra de 5 mil horas efetivas a partir de R$ 426,30 por hora efetiva. A Baldin tem contrato de venda de energia com a CPFL, no qual vende o megawatt por R$ 203.

O ganho da empresa sucroenergética reflete, por exemplo, a redução de 29,43 kgv por tonelada de cana, ou 9,47 toneladas de vapor. Esse volume foi apurado no período entre 02/05 a 08/06 de 2017.

“Este é um dos ganhos do S-PAA para a Baldin”, reforça o consultor da Soteica.

“Entre outros resultados, a empresa sucroenergética apurou padronização da operação, estabilidade operacional, agilidade na atuação, capacitação pessoal, menor impacto na rotatividade de pessoal e maior utilização dos dados gerados”, acrescenta.