Sob Lula, BNDES eleva repasse a usineiro

Considerados “heróis mundiais” pelo ex-presidente Lula, os usineiros obtiveram, nos últimos oito anos, R$ 28,2 bilhões em empréstimos do BNDES.

Só em 2010, por exemplo, foram R$ 7,4 bilhões que financiaram desde o cultivo de cana-de-açúcar (R$ 953 milhões) até a fabricação de açúcar e álcool (R$ 5,6 bilhões) e a cogeração de energia (R$ 665 milhões).

O valor foi superior ao repassado a outros setores da economia no ano, como as indústrias de papel, celulose e extrativista juntas (R$ 3,1 bilhões), mecânica (R$ 5,3 bilhões), metalurgia (R$ 4,9 bilhões) e têxtil e vestuário (R$ 2,1 bilhões).

Para o coordenador de açúcar e álcool do Ministério da Agricultur a, Cid Jorge Caldas, o volume desembolsado coincide com a retomada da produção de etanol, impulsionada pelos veículos flex.

“Por causa da demanda por etanol, surgiram novos investimentos de usinas e grandes grupos entrando no ramo. De 2005 para cá foram 150 novas usinas”, disse.

Comparado aos oito anos do governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), o desembolso foi 1.156,4% maior. Segundo o banco, no período foram desembolsados R$ 2,2 bilhões.

“O BNDES sempre foi um parceiro do setor e seu avanço passa pelo financiamento”, disse Sérgio Prado, representante da Unica (União da Indústria da Cana-de-Açúcar) na região de Ribeirão Preto.

Ele afirmou que o papel do banco foi “fundamental” para o setor sobreviver aos efeitos da crise mundial. “Eles [BNDES] financiaram até capital de giro às usinas.”

O ex-presidente Lula se referiu aos usineiros como “heróis” em 2007.

À época, ele disse que os empresários, até seis anos antes, “eram tidos como se fossem os bandidos do agronegócio” e que estavam virando “heróis nacionais e mundiais” porque todo mundo atentou para o etanol.

INVESTIMENTO

Os desembolsos do BNDES vão garantir à Usina Batatais, por exemplo, a construção de sua fábrica de açúcar na unidade localizada em Lins.

O pedido de R$ 60 milhões deve ser liberado até o final do semestre, segundo previsão de um dos diretores da empresa, Bernardo Biagi.

O desembolso de R$ 446 milhões à ETH Bionergia, do grupo Odebrecht, vai garantir a implantação de quatro novas usinas do grupo.

Já a Agroenergia Santa Luzia conseguiu R$ 201,6 milhões para elevar a capacidade de moagem e produção de energia de suas usinas.

“O BNDES tem sido um importante instrumento de capitalização das usinas para investimento e crescimento do setor sucroenergético”, afirmou Biagi.

X