“Setor precisa intensificar avaliação da queima do combustível na caldeira”

Os aspectos fundamentais no controle da combustão e emissões de poluentes em caldeiras à bagaço de cana e a importância para o setor sucroenergético, além de apresentar ferramentas e conhecimentos no controle da queima do combustível na fornalha. Esse é o tema da palestra de Carlos Eduardo de Abreu, engenheiro mecânico e diretor da EngBoiler- Engenharia de Caldeiras, no curso de Caldeiras, Vapor e Energia, promovido pela Sinatub e ProCana Brasil essa semana. Com o tema “Eficiência e Avanços Tecnológicos nas Caldeiras e no Sistema de Geração de Energia Aplicado as Plantas Industriais e Centrais Termoelétricas do Setor Sucroalcooleiro”, o evento promete reunir profissionais do setor industrial, no Cenacon, em Ribeirão Preto (SP) nos dias 6 e 7 de junho.

Para o especialista, os principais temas da atualidade são: Qualidade inferior do combustível (baixo poder calorífico) aliado a erros de projetos de caldeiras quanto à queima do combustível na fornalha. “Para solucionar esses problemas é preciso que o usuário de caldeiras faça uma avaliação técnica da queima do combustível na

caldeira com uma empresa especializada na área, com a finalidade, de detectar os erros de projetos e, posteriormente, dar a melhor solução de reengenharia do sistema de combustão para atender a performance desejada do equipamento”, explica.

Algumas inovações apontadas por ele são: a instalação de grelhado tipo PIN-HOLE que facilita a limpeza de cinza por sopragem de vapor e possibilita um melhor controle do excesso de ar na caldeira; instalação correta do sistema de ar secundário com alta pressão para melhorar a queima secundária do combustível em suspensão na fornalha da caldeira, resultando assim, diminuição na emissão de CO (monóxido de carbono) e particulados para a atmosfera e, conseqüentemente, aumento de eficiência térmica e vida útil do equipamento.

Para se inscrever, basta ligar para (16) 3911-1384, sinatub@sinatub.com.br ou www.sinatub.com.br.

img6941

X