Setor de açúcar e etanol tem “otimismo prudente”

De acordo com estimativa da INTL FCStone, primeira quinzena de junho deve fechar processamento de cana em 30,8 milhões de toneladas

A primeira quinzena de junho foi marcada por clima muito chuvoso – principalmente nos sete primeiros dias – com precipitação acumulada de 71 mm na média do cinturão canavieiro, mais do que o triplo do registrado no ano passado e da média histórica para a quinzena.

Com isso, A INTL FCStone prevê que o próximo relatório da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), que será divulgado nos próximos dias, deve trazer moagem em 30,8 milhões de toneladas, referente à primeira quinzena de junho, o que representa 5,1% abaixo da quinzena anterior e 22,4% abaixo do ano passado.

“Ainda assim, a moagem acumulada se manteria adiantada em relação à safra passada em mais de 20 milhões de toneladas”, explica o Analista de Mercado da consultoria, João Paulo Botelho.

De acordo com relatório publicado pela INTL FCStone, o Açúcar Total Recuperável (ATR) médio deve continuar aumentando conforme a safra avança, embora as chuvas que vem caindo desde maio tenham tido impacto negativo.

Já a concentração de açúcares ficaria em 130,5 Kg/t, de acordo com cálculos do grupo, 0,3% acima do Acompanhamento anterior e 5,2% acima da safra 2016/17. O mix açucareiro também deve continuar sendo impactado negativamente pelas chuvas, apesar do elevado diferencial de remuneração entre o adoçante e o etanol.

O relatório da consultoria também apontou mix de 42,4%, levando à produção de 1,62 milhões de toneladas de açúcar, 18% abaixo da mesma quinzena na safra passada. Já para a produção de etanol, a divisão ficaria entre 825 milhões de litros de hidratado e 533 milhões de litros de anidro.

X