Seca ameaça agricultura na Austrália

Altos funcionários do Tesouro australiano estão observando os céus em busca de sinais de chuvas redentoras que interrompam o período de seca. As chuvas são necessárias, pois a economia agrícola de 2003/04 depende amplamente da quantidade de chuva nas próximas seis semanas. Jim Hagan, gerente geral da divisão de Economia Doméstica do Tesouro, disse que a seca continua representando um risco substancial.

O governo previu que o setor agrícola contribuirá com 0,6 ponto percentual para o crescimento econômico, comparado com uma depreciação de 1,0% em 2002-03. Se não houver chuva nas áreas de cultivo até meados de agosto, o tamanho das safras de cereais de inverno pode ser reduzido substancialmente e as diminuem as esperanças de ocorrer uma recupe-ração do setor agrícola.

Uma perspectiva menor para o setor agrícola vai reforçar as opiniões já públicas do Tesouro de que as taxas de juros oficiais precisam ser cortadas para sustentar a expressiva retração econômica. Hagan não fez comentários sobre as taxas de juros. A taxa à vista oficial tem sido mantida firme em 4,75% desde junho de 2002, mas o Reserve Bank of Australia, o banco central do país, deve começar a cortar em julho ou agosto.

“Tem havido um pouco de chuva aqui e ali, mas há grandes porções do interior que estão claramente sob condições de seca”, disse Hagan. A preocupação do Tesouro está expressada num relatório sombrio feito pela Agência Australiana de Agricultura e Recursos Econômicos (Abare), na sigla em inglês) sobre as atuais condições agrícolas.

X