Saída de Kátia Abreu seria ‘perda brutal’, diz Sindalcool-MT

A possibilidade de a ministra da Agricultura, Kátia Abreu (PMDB), deixar o governo Dilma Rousseff já começa a preocupar o agronegócio. “Se isso acontecer, vai ser uma perda brutal. Ela é do ramo, conhece, é uma política séria”, avaliou Jorge dos Santos, presidente do Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras do Estado de Mato Grosso (Sindalcool-MT).

Para o dirigente, preocupa também não saber qual nome poderia substituí-la, “que não chegue aos pés” da atual comandante da Pasta. Santos ponderou, no entanto, que o desembarque de Kátia Abreu deve ter pouco impacto sobre o Plano Safra 2016/17, em fase de elaboração pelo governo. “As regras já estão postas, quanto a isso não devemos ter problemas. Mas pode ser que o agronegócio perca uma importante interlocutora para contrapontos”, destacou o presidente do Sindalcool-MT.

Na quinta-feira, 17, o Broadcast Agro, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, revelou que Kátia Abreu pode deixar o governo por não concordar com a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como chefe da Casa Civil. Quando ainda ocupava uma vaga no Senado pelo DEM, Kátia Abreu foi uma das principais responsáveis pela maior derrota política de Lula no Congresso, em 2007, com a derrubada da CPMF, que o então presidente tentava prorrogar por quatro anos.

Fonte: (Estadão Conteúdo)

X