Saiba quanto a Usina Vertente moerá após recente ampliação

Usina Vertente, de Guaraci (SP)
Usina Vertente, de Guaraci (SP)

De acordo com informações do diretor executivo Hugo Cagno Filho, da Usina Vertente, de Guaraci (SP), a unidade produtora de cana-de-açúcar implantou recentemente um sistema com terno de moenda de 110 polegadas ajustado em frente ao difusor que já era utilizado, ampliando assim, sua capacidade de produção.

Com isso a usina aumentou sua moagem de 1,6 milhões de toneladas de cana-de-açúcar para 2,5 milhões de toneladas.

Leia mais: Guarani Tereos Açúcar e Etanol anuncia novo gerente para ampliar presença no varejo

“Neste novo sistema a moenda extrai o caldo primário — de onde é possível obter um açúcar de alta qualidade — e o difusor atua somente no processamento do bagaço, direcionando a biomassa para produção de etanol”, explica Filho.

Leia mais: Guarani Tereos dá partida a uma nova safra ‘açucareira’

De acordo com o diretor que também é engenheiro agrônomo, a usina também produzirá na safra 2015/16, cerca de 130 mil toneladas de açúcar, sendo boa parte composta de açúcar branco. A produção de etanol será de 130 milhões de litros, sendo 50 milhões de litros de anidro e 80 de hidratado.

Leia mais: Guarani implanta software que otimiza cogeração e produção em tempo real

A unidade que pertence 50% ao Grupo Guarani (Tereos) irá cogerar 40 megawatts/hora e comercializará 29 megawatts/hora.

A taxa de produtividade da cana-de-açúcar é baixa, em torno de 88 tch, o que porém não interferirá na produção estimada pela usina, que faz uso constante de maturador no canavial e possui 134 de ATR.

Filho, está otimista em relação à safra, mas reconhece que inconstâncias climáticos podem afetá-la de alguma forma.

“Este ano foi totalmente atípico para nós. Por conta das chuvas, ficamos 12 dias parados, deixando com isso de moer 150 mil toneladas. A região da Guaraci (SP) é bastante seca, chovendo 700 milímetros ao ano. Mas este ano choveu quase 1000 milímetros somente em junho. A instabilidade climática, sempre é um fator preocupante”, comenta.

 

X