Safra de cana no Mato Grosso do Sul tem quebra de 6%

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A moagem da safra de cana no Mato Grosso do Sul tem quebra de 6%. Mas o presidente da Associação dos Produtores de Bioenergia do estado, Roberto Hollanda Filho, explica, em entrevista ao JornalCana, que a moagem das unidades seguirá até o fim de março.

Confira a entrevista do executivo ao JornalCana.

JornalCana – Como está a safra de cana-de-açúcar 2017/18 no Mato Grosso do Sul?

Roberto Hollanda Filho – As unidades sucroenergéticas do Mato Grosso do Sul vivem situação peculiar no setor [que praticamente já encerrou a safra 17/18]. Estamos na segunda quinzena de janeiro de 2018 e temos três usinas em moagem. E a expectativa é de que em fevereiro há mais usinas moendo.

Fale mais sobre a situação peculiar do Mato Grosso do Sul

Roberto Hollanda Filho – Temos usinas moendo cana-de-açúcar nos doze meses do ano. Dez por cento da safra no Mato Grosso do Sul é processada entre a segunda quinzena de dezembro e a segunda quinzena de março. É uma característica interessante.

Por que isso ocorre?

Roberto Hollanda Filho – Temos no estado um regime inconstante de chuvas. Em 2017, tivemos chuvas em abril e em maio, meses do começo da safra. Tivemos um problema, que foi a geada registrada em meados de agosto. Isso atrapalhou um pouco a nossa produção.

Como está a moagem?

Roberto Hollanda Filho – Moemos [até a segunda quinzena de janeiro] 43,7 milhões de toneladas de cana-de-açúcar. É um volume 6% abaixo do registrado no mesmo período da temporada anterior.

E a produção?

Roberto Hollanda Filho – A produção de açúcar está em 1,460 milhão de tonelada, 12% abaixo da safra anterior. Esperávamos crescer no açúcar na 17/18 e estabilizar no etanol. Mas o que vemos é uma perda do açúcar em parte por conta do impulso do etanol, no fim da safra, mas também por conta da geada que atrapalha a produção do açúcar.

E sobre etanol?

Roberto Hollanda Filho – Fizemos até a primeira quinzena de janeiro 840 milhões de litros de anidro, 13% acima do volume da safra passada. Representa um triste retrato do etanol que esperamos que mude. Já a produção de hidratado está em 1,6 bilhão de litros, 9% abaixo do produzido na temporada anterior. No total, as usinas do Mato Grosso do Sul chegam a 2,5 bilhões de litros, 2.4% abaixo da safra 16/17. Ou seja, vimos o hidratado decrescer em produção em detrimento ao anidro.

É o processo de gasolinização? 

Roberto Hollanda Filho – Exatamente. É uma dura realidade do setor sucroenergético.

Como está a produção de ATR?

Roberto Hollanda Filho – Em 5,7 milhões de toneladas, 5% abaixo do registrado na safra anterior. Notamos que a cana está um pouco melhor, com acumulados 130,49 quilos de ATR por tonelada. E baixo, mas historicamente no Mato Grosso do Sul ele não tem sido alto por conta das chuvas.

O setor sucroenergético do Mato Grosso do Sul é mais alcooleiro?

Roberto Hollanda Filho – Sim, 74% da cana da safra foram destinadas para a produção de etanol. É uma característica nossa. E continuamos na safra.

Quando deve ser divulgado o balanço final da safra?

Roberto Hollanda Filho – No dia 31 de março. Até lá, se houver estiagem, conseguiremos moer em torno de 3,5 milhões de toneladas de cana.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.