Sabe quanto cresceu o endividamento da CPFL Renováveis?

tA CPFL Energias Renováveis S.A., empresa do Grupo CPFL também focada em eletricidade a partir da biomassa da cana-de-açúcar, encerrou 2015 com endividamento total de R$ 6.021,1 milhões.

O montante é 6,6% superior a 2014, que ficou em  R$ 5.649,5 milhões.

Sem considerar os empréstimos ponte (que serão quitados com as captações de dívida de longo prazo), as dívidas da Companhia apresentaram prazo médio de 5,0 anos e custo médio nominal de 10,86% a.a. (76,8% do CDI de 31 de dezembro de 2015).

As captações realizadas nos últimos 12 meses, em sua grande parte, tiveram objetivo de reforçar o caixa da Companhia e fazer frente aos investimentos necessários para a construção dos complexos eólicos São Benedito e Campo dos Ventos, PCH Mata Velha e Morro dos Ventos II.

Dessa forma, nos últimos 12 meses, a Companhia realizou captações de R$ 1.042,4 milhões.

A eletricidade gerada por biomassa totaliza 370 megawatts (MW) da capacidade instalada da CPFL Renováveis. A fonte eólica é a principal de geração da CPFL, com 1.031,8 MW.

a
Dorf: balanço de 2015

Saiba mais sobre o desempenho financeiro da CPFL Renováveis em 2015

Confira 7 frases do presidente da companhia, André Dorf: 

1 – “Um ano marcante. A despeito do cenário político conturbado, incertezas na economia e desafios ligados a hidrologia e ao ambiente regulatório, o ano de 2015 foi de avanço e amadurecimento para a CPFL Renováveis. Colhemos os frutos de diversas iniciativas de gestão desenvolvidas nos anos anteriores: revisão de processos, aperfeiçoamento dos controles, implantação de sistemas e foco no gerenciamento das operações e riscos da Companhia.”

2 – “Os resultados apresentados em 2015 evidenciam essa evolução. Líder em energia renovável no Brasil, a Companhia encerrou o ano com 1,8 GW de capacidade instalada em operação em 4 fontes renováveis, distribuída em 81 usinas em 8 estados e 57 municípios. Ou seja, estamos entre as 8 maiores empresas privadas de geração de energia elétrica no País, com portfólio de ativos capaz de gerar energia equivalente ao consumo de estados como Maranhão, Rio Grande do Norte e Distrito Federal.”

3 – “A geração de energia da Companhia alcançou 5.697,5 GWh em 2015, incremento de 35,2% em relação a 2014. Nossa receita lí- quida evoluiu 20,2% no ano para R$ 1,5 bilhão e o Ebitda superou a marca de R$ 1 bilhão no período, com crescimento de 50,9% em relação ao ano anterior.”

4 – “Ainda que a performance operacional da Companhia tenha apresentado significativa evolução em 2015, o cenário macroeconômico adverso e a consequente elevação das taxas de juros ao longo do ano impactaram negativamente o resultado líquido no período: prejuízo de R$ 48,7 milhões.”

5 – “Vale mencionar que a hidrologia desfavorável em 2015 também gerou efeito negativo no ano (gastos com GSF de R$ 103,7 milhões), impacto que foi atenuado pela disciplina na gestão de custos e despesas, que apresentaram queda de 14,7% em relação a 2014 (excluindo-se custos e despesas com depreciação e amortização). Investimos R$ 482 milhões em 2015, com foco nos 5 projetos de crescimento que adicionarão cerca de 330 MW de capacidade até 2020.”

6 – “É importante destacar que as implantações seguem dentro do cronograma e orçamento previstos. Além disso, antecipamos a conclusão das obras de Morro dos Ventos II para abril de 2015, que adicionou 29,2 MW ao portfólio e participamos do Leilão de Energia Nova (A-5) em abril de 2015, com a venda de energia da PCH Boa Vista II. Ainda assim, reduzimos a alavancagem da Companhia para 4,7x Ebitda ao final de 2015, em comparação a 6,1x em 2014.”

7 – “Dessa forma, a CPFL Renováveis chega ao final de 2015 mais sólida e preparada para enfrentar futuros desafios e oportunidades. Nos consolidamos como protagonista da diversificação da matriz elétrica brasileira e seguimos engajados com um modelo de desenvolvimento que garantirá um planeta sustentável para as próximas gerações.”

 

 

 

X