Produtores se reúnem em dia de campo da Ridesa e Usina Baía Formosa

Nesta quarta-feira (24/11) foi promovido um Dia de Campo através de uma parceria com o Programa de Melhoramento Genético da Cana de Açúcar (PMGCA) da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) – Ridesa e da Usina Baía Formosa, localizada no Rio Grande do Norte.

O presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (ASPLAN-PB), participou de mais de quatro horas de atividades que envolveram visitas à Estação da Ridesa, em Baía Formosa, e aos campos onde estão sendo desenvolvidas novas variedades da matéria- prima. Para Raimundo Nonato, a troca de experiência foi muito oportuna e trará benefícios para os produtores e fornecedores da Paraíba.

Segundo o coordenador do PMGCA da Ridesa, Djalma Euzébio, os Dias de Campo, são organizados sempre que surge algum resultado diferenciado nas pesquisas sobre variedades de cana. “Esses eventos são organizados quando temos novas linhagens para serem mostradas a pesquisadores, entidades e produtores do setor sucroalcooleiro que se interessem pelas variedades desenvolvidas pela Ridesa, que ainda estejam em fase de pesquisa ou com resultados promissores. Convidamos representantes de todo o país para fazerem parte da ação”, afirma Djalma.

Ainda segundo Djalma, o evento foi uma troca de informações e experiências que podem beneficiar a Paraíba, já que existem variedades utilizadas no Estado que estão sendo melhoradas atualmente na Estação. “A Ridesa faz um trabalho intenso para desenvolver variedades para serem plantadas em solos do tabuleiro costeiro, que compreende o Nordeste. As variedades que mais são plantadas nesta região são as RB 867515, RB 863129 e a RB 92579 que aumentam em 30% a quantidade de açúcar por hectare nas plantações de quem as utiliza. A Ridesa já está em fase de melhoramentos com essas variedades, podendo aumentar ainda mais o nível de sacarose dessas plantas”, explica o coordenador.

Raimundo Nonato, que participou de toda a ação, acompanhado de diversos representantes da Ridesa do Rio de Janeiro, Goiás, Ceará, Pernambuco, além de técnicos de usinas e especialistas de mais 10 universidades federais parceiras da Ridesa, avaliou o encontro como de grande importância para o Estado. “Foi importante coletar informações que serão úteis para os nossos associados. Também foi interessante ter acesso a novas informações sobre algumas variedades de cana que já utilizamos aqui e que poderão ser melhoradas, ainda mais, em breve”, avaliou o dirigente da ASPLAN.

X