Produtor de etanol nordestino vai à Unica em busca de consenso sobre importações de etanol

Meeus quer alíquotas melhores

O presidente da Destilaria Tabu, localizada em Caaporã (PB), Philippe Meeus, reuniu-se ontem (3/4) com representantes da Unica — União da Indústria de Cana-de-açúcar, na sede da entidade em São Paulo, capital. O motivo da reunião foi discutir as consequências das barreiras de importação de etanol classificadas por ele como “altamente prejudiciais” às relações bilaterais entre os Estados Unidos e a Unica.

Leia mais: Entidades do setor disputam porcentagem da tarifa de importação de etanol de milho

“Os Estados Unidos estão exportando muito álcool, inclusive subvencionado pela LPA”, explica Meeus.

Além da reunião com a Unica, o executivo também se encontrou-se na tarde de ontem com o presidente do Porto do Itaqui, localizado no Estado do Maranhão, Eduardo de Carvalho Lago Filho. “Expliquei para ele que é necessário mudar o valor da alíquota utilizada durante o período da safra nordestina e parar de importar álcool com alíquota subvencionada, caso contrário barreiras poderão ser criadas contra o Brasil”, conta o presidente da Destilaria Tabu.

Leia mais: Importação de etanol cresce 596% em 2017

“Temos que movimentar e encontrar unanimidade. É preciso um decreto similar para todos os estados produtores de etanol e para uma época bem determinada, afim de evitarmos transtorno com as relações bilaterais entre EUA e Brasil no que diz respeito a importação de etanol”, sugeriu Meeus.

Leia mais: Saiba 4 razões pelas quais o governo brasileiro estuda taxar o etanol importado dos EUA

X