Produção global de etanol deve chegar a 120 bilhões de litros em 2027, prevê a FAO

Fonte: FAO/OECD

A produção mundial de etanol deverá chegar a 2027 com 120 bilhões de litros, aponta estudo da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em relatório sobre as perspectivas entre 2018 e 2027.

Divulgado em 03/07, o levantamento indica um crescimento anual de 12 bilhões de litros de etanol por ano, ou avanço anual de 0,7% até 2027.

A estimativa engloba os produtores mundiais do biocombustível, sendo que os Estados Unidos atualmente lideram o ranking de produção, com o Brasil em segundo lugar.

Segundo o relatório da FAO e da OCDE, a projeção de produção mundial 0,7% maior até 2027 contrapõe com o registrado nos últimos dez anos. Nesse período, explica o documento, a oferta do biocombustível chegou a 60 bilhões de litros, em alta anual de 3,9%.

Leia também: Novas tecnologias integram a programação de curso da ProCana Sinatub

Preços do etanol em recuo

Dirigida pelo brasileiro José Graziano da Silva, a FAO aponta, no relatório, que os preços mundiais do etanol tendem a cair.

Segundo a instituição, os preços globais do biocombustível deverão diminuir em 8% na próxima década.

“No entanto, a evolução do mercado de etanol continuará sendo moldada pela definição de políticas e pela demanda por combustível para transporte, o que implica considerável incerteza nessas projeções”, pondera a Instituição no relatório.

Como fica a questão do açúcar

Já no caso do açúcar, as projeções indicam que o crescimento da produção global se dará “em ritmo mais lento do que na década anterior”.

O Brasil continuará como o maior produtor global de açúcar, assim como deverá concentrar 45% das exportações globais.

“A demanda por adoçantes calóricos deve crescer a um ritmo mais rápido do que outras commodities”, diz a FAO/OCDE.

 

 

X