Produção garantirá preço justo do etanol, segundo usineiros

Aquecimento no mercado consumidor é o principal responsável pela alta dos preços do etanol, segundo avaliação da União das Indústrias da Cana-de-Açúcar (Unica). Para Sérgio Prado, representante da entidade, a entressafra não é mais responsável pela regulação dos preços do álcool que hoje sai das unsinas a R$ 0,97.

Prado é direto ao afirmar que o equilíbrio de preços será dado pelo usuário nas bombas de todo o país.

– É o consumidor que vai regular o mercado, pois hoje o preço é uma questão de demanda e não está mais ligado diretamente à entressafra.

Ele lembra o que ocorreu no fim do ano passado, quando o consumidor acabou migrando para a gasolina e, mesmo na entressafra, com queda de preço, o cosumo caiu em 50% entre janeiro e fevereiro deste ano.

– Aí o preço do etanol, mesmo com as fábricas paradas, despencou – completou.

Na avaliação de Sérgio Prado, mesmo agora na entressafra deverá haver uma tendência maior de equilíbrio nos preços devido ao estoque nas usinas. Por isso, o executivo da Unica não acredita em oscilações abruptas de preços como ocorreu no passado.

– A produção hoje é maior do que no ano passado. Enquanto a fabricação nos últimos meses chegava a 4 bilhões de litros mensalmente, o consumo encontra-se na casa dos 2 bilhões de litros por mês. Então, há estoque até a chegada da nova safra entre março e abril – garantiu Prado.

A estimativa para este ano é de que a safra seja 11% superior à do ano passado, com a produção de etanol devendo ficar em torno dos 26 bilhões de litros. Na avaliação da Unica, em 2009 a queda de 13% na demanda de etanol ocorreu em função da crise financeira internacional. As empresas colocavam o produto por um preço abaixo do que ele valia no mercado.

– Era um preço artificial. Naquele patamar de preço, abaixo de R$ 0,60 centavo por litro, não dava para cobrir nem o custo de produção – afirmou Prado.

X