A previsão da RIDESA é de liberar suas primeiras variedades de cana-energia em 2018

A Ridesa — Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroenergético está trabalhando no desenvolvimento da cana-energia, assim como outras instituições do país.

Segundo Geraldo Veríssimo, professor e pesquisador da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), a Rede já possui clones nas diversas fases do melhoramento (seleção e experimentação). “São cinco séries RB. Temos clones em teste em vários estados nas áreas de abrangência das universidades federais da RIDESA”, diz Veríssimo, lembrando que este material poderá ser plantado em todas as regiões produtoras de cana do país.

Nos testes realizados com as variedades de cana-energia em desenvolvimento, os resultados denotam superioridade em relação às variedades padrão de cana-de-açúcar convencional quanto a rendimento por área, quando se soma produção de açúcar + produção de fibra. Além disso, apresentam maior resistência a pragas e maior longevidade do canavial (maior número de colheitas).

A previsão da instituição é de liberar as suas primeiras variedades de cana-energia em 2018. Será um grande ganho para o setor sucroenergético, na visão do pesquisador, uma vez que esses materiais propiciarão à atividade o aumento da rentabilidade.

Fonte: (Valor)

X