Preço do milho leva usina em Mato Grosso parar fabricação de etanol

A Usina Porto Seguro, localizada em Jaciara, interrompeu desde janeiro a sua produção de etanol a partir do milho. O preço da saca de 60 quilos do cereal e a escassez do produto foram os principais motivos para a paralisação das atividades na indústria, que é flex (produz etanol a partir de milho e cana-de-açúcar). No último dia 15 de junho a empresa iniciou a produção do combustível através da cana-de-açúcar.

Desde janeiro o Brasil vem registrando desabastecimento de milho, motivado principalmente pelo crescimento das exportações e baixos estoques públicos, o que está elevando o preço da saca de 60 quilos. Em Mato Grosso, hoje, a saca de milho está cotada em média a R$ 33, podendo chega a R$ 38,10 em alguns municípios, como é o caso de Alto Araguaia. Outro fator que contribui para o aumento da saca é a quebra da produção em 2016 no país.

A produção de etanol a base de milho é realizada pela Usina Porto Seguro durante a entressafra da cana-de-açúcar, que tem período de seis meses. “O mercado mundial desse grão enfrenta em 2016 uma realidade atípica, em que os maiores produtores mundiais tiveram quebra de safra, entre eles o Brasil. Para o mercado, isso significa duas coisas: fica difícil encontrar milho para comprar e, quando encontra, está muito caro”, justifica o diretor da Usina Porto Seguro, Michael Hebert Matheus.

Em 2015, a Usina Porto Seguro moeu em média 500 toneladas de milho por dia, o que significa uma produção de aproximadamente 200 metros cúbicos de etanol.

O diretor da usina explica que o mercado tem muitas nuances e que o custo de produção envolve não apenas a cotação do milho, mas insumos, que em sua maioria são cotados em dólar, e até mesmo do valor de mercado do próprio etanol.

“A cotação no Mato Grosso hoje varia próximo de 30 a 40 a saca, o que já sinaliza uma queda. Há um mês chagava a 50 reais a saca. Acreditamos que ainda que no segundo semestre poderemos retomar a produção do etanol a partir do milho se a especulação continuar caindo. Além disso, o governo Temer tem dado sinais de alta do combustível, tanto da nova direção da Petrobras, quanto da equipe econômica, que pretende refundar a Cide. Estamos muito atentos ao mercado e quando for o momento de retomar a produção estaremos já com as novas aquisições prontas para trabalhar a todo vapor”, comentou Michael Hebert Matheus ao Agro Olhar.

Demissões

A falta de milho em muitas indústrias brasileiras, principalmente em cooperativas de frangos na região Sul do país, geraram férias coletivas e até mesmo demissões. Conforme o diretor da Usina Porto Seguro, a empresa “Não se pode dizer que houve demissões. O fato é que desde sua fundação, há mais de 30 anos, a usina tem apenas 6 meses de produção e, naturalmente, durante o período da safra tem mais colaboradores trabalhando. Em 2015, conseguimos, pela primeira vez na história, fazer uma produção contínua. Com a alta da cotação do milho, paramos a produção, mas não os trabalhos”.

Segundo ele, durante este período em que a produção de etanol de milho ficou paralisada toda a mão-de-obra foi utilizada para a realização de reforma dos equipamentos, além de usarem esse tempo para se preparar para a safra da cana. “Havia máquinas que aguardavam investimentos há mais de uma década e agora temos aquilo que há de mais moderno no mercado”.

Retomada após crise

Há dois anos a usina, localizada em Jaciara, caminhava para sua falência. A Porto Seguro ao assumir a gestão realizou, revela o diretor, mudanças profundas com investimentos de mais de R$ 80 milhões, o que permitiu o aumento da capacidade produtiva e a novas negociações “que nos permitem hoje dizer que a Usina Porto Seguro é uma empresa viabilizada, completamente recuperada e que volta a gerar riqueza para Jaciara e para o estado do Mato Grosso”.

Um novo investimento que pode chegar a R$ 5 milhões está sendo realizado. “Estamos fazendo um investimento que deve chegar a R$ 5 milhões em novas dornas e outros equipamentos que permitirão separar a produção do etanol a partir do grão. A partir daí, a UPS passará a ser caracterizada como Full. Isso significa uma capacidade de produzir simultaneamente o etanol de cana e de milho. Havendo viabilidade de mercado, será possível produzir etanol de grão 365 dias por ano”, diz Michael Hebert Matheus.

Fonte: (AgroOlhar)

X