Pesquisadores vão desenvolver motor movido a biocombustíveis

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e a Fundação Peugeot Citroen fazem parceria para pesquisa e desenvolvimento de motores de combustão movidos a biocombustíveis. O prazo para a apresentação de projetos termina em 29 de março. As propostas selecionadas serão anunciadas no dia 31 de julho.

O acordo entre as duas instituições estabelece a criação do Centro de Pesquisa de Engenharia que terá, durante dez anos, aporte anual de recursos de, no mínimo, R$ 1,6 milhão – cada organização contribuirá com metade do valor. O centro, que vai reunir pesquisadores nacionais e internacionais, terá sede em uma ou mais instituição de pesquisa do Estado de São Paulo.

Para o assessor especial da Diretoria Científica da Fapesp, Hernan Chaimovich, o Brasil tem a responsabilidade de criar um centro de pesquisa de classe mundial em motores a biocombustíveis por todo seu histórico de desenvolvimento de motores a etanol.

“Se não iniciarmos agora um projeto de pesquisa estratégico e de longo prazo em motores de combustão movidos a biocombustíveis, poderemos perder em menos de cinco anos a competitividade que conquistamos ao longo de décadas de experiência com motores a etanol”, explica em reportagem da Agência Fapesp.

Para o coordenador de produto da Peugeot Citroen do Brasil, Flavio Gomes Dias, é preciso continuar avançando no sentido de ter veículos com baixa emissão e elevada eficiência. “Chegamos a um ponto hoje em que a introdução de novas tecnologias aumenta o custo dos motores e o ganho na redução das emissões de CO2 é pequeno”, diz. “Acreditamos que por meio dos biocombustíveis e motores mutuamente adaptados conseguiremos ter o ganho extra na redução das emissões de CO2 pelos automóveis que buscamos”, afirma.

Entre os temas de interesse do Centro de Pesquisa de Engenharia estão novas configurações de motores movidos a diferentes biocombustíveis, incluindo veículos híbridos (que possuem mais de um motor – elétrico e a gasolina, por exemplo), redução de emissões de gases e aspectos econômicos, ambientais e sociais relacionados aos biocombustíveis.

“Estamos com alta expectativa de receber propostas muito boas e competitivas mundialmente nos temas definidos na chamada, e muito satisfeitos com a oportunidade de associar a Fapesp à Peugeot Citroën em uma iniciativa tão ousada para desenvolver pesquisa no Estado de São Paulo”, afirma o diretor-científico da fundação, Carlos Henrique de Brito Cruz.

X