Pesquisadores discutem bioenergia em Ubatuba, litoral de SP

Cientistas de várias partes do mundo participam do 3º Congresso Internacional de Cooperação entre Universidade e Indústria (Unindu), promovido pela Universidade de Taubaté (Unitau), que começou domingo (7), no campus de Ubatuba, no litoral paulista. O evento, que será realizado até quarta-feira (10), discutirá as energias alternativas, como etanol, biodiesel e gás natural.

A abertura do Congresso contou com a presença de cerca de 500 pessoas, entre pesquisadores, autoridades e o público em geral. A conferência de abertura foi proferida pelo secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Xico Graziano.

A terceira edição do Unindu reune pesquisadores e especialistas de mais de 20 países, dentre eles Itália, Estados Unidos, Alemanha, Argentina, Chile, Colômbia, Canadá, Croácia, Cuba, Espanha, Japão, Paraguai, Porto Rico, Portugal, Suécia, México, Uruguai, Finlândia, Inglaterra e Venezuela, para debater os avanços e deficiências mundiais no uso de fontes de energia renováveis, além de discutir o papel da indústria na preservação ambiental dentro desse processo.

Assuntos como o uso do hidrogênio e das células de combustível, que podem trazer avanços na substituição de combustíveis não renováveis como o petróleo e as contribuições do governo do Estado de São Paulo para os desafios do aquecimento global, fazem parte da pauta de discussões.

Realizado em parceria com a Universidade de Perugia (Unipg, Itália), Universidade Estadual de San Diego (SDSU, Estados Unidos), Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá (Unesp) e da Universidade Federal de Itajubá (Unifei), o Congresso tem o apoio das maiores instituições de incentivo à pesquisa do País e patrocínio de multinacionais do setor.

O vice-reitor da Unitau, José Rui Camargo, coordena o Fórum “A matriz energética no Brasil e no mundo”, para abordar fontes de energias renováveis e não-renováveis utilizadas em diversos países.

O professor Evandro Luis Nohara (Unitau) ministra o “4º Workshop Cooperação Universidade-Empresa”, voltado à análise dos sistemas de automação no processo produtivo, novos materiais absorventes e a relação existente entre meio ambiente e energia.

Para o pesquisador Giorgio Eugênio Oscare Giacáglia, que representa a Unitai na organização do Unindu, o evento destaca o reconhecimento conquistado pela universidade ao longo dos anos na produção de ciência e tecnologia. “Sediar um congresso desse porte é um símbolo de renome no meio acadêmico para a Universidade. Além disso, expõe a preocupação com temas atuais e de relevância no mundo todo”, ressalta.

X