País exporta 229,7% a mais para a China, que vira 2º maior mercado

A China, que não estava nem entre os dez principais parceiros comerciais brasileiros em 2000, se consolida desde o início do ano como o segundo maior mercado para as exportações do país, atrás apenas dos Estados Unidos, o maior mercado do mundo.

De janeiro a maio deste ano, as exportações para a China atingiram US$ 1,774 bilhão, 229,7% a mais que no mesmo período de 2002, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento.

O país vendeu mais para China nos primeiros cinco meses deste ano do que ao longo de 2000, quando as exportações somaram US$ 1,085 bilhão.

Apenas no mês passado, as vendas para a China aumentaram 375% com relação ao mesmo mês de 2002. No total, o Brasil vendeu para o país mais populoso do mundo US$ 589 milhões em maio.

A importância da China para o Brasil começou a crescer em 2001, quando passou a ser o sexto maior destino das exportações brasileiras. Naquele ano, a Argentina ocupava a segunda posição.

No ano passado, o mercado chinês já havia passado o da Argentina, que minguou com a crise econômica e social. Os argentinos ficaram na sexta posição em 2002. A China continuava, no entanto, atrás de dois parceiros comerciais tradicionais do Brasil -Holanda e Alemanha.

Neste ano, exportações crescentes de soja, produtos siderúrgicos, minério de ferro, autopeças e celulose colocaram os chineses no segundo lugar.

O governo vem, desde o ano passado, enfatizando a importância de ampliar as relações comerciais com a China, considerado um dos mercados mais promissores do mundo devido ao tamanho da população.

Enquanto as vendas para os chineses explodiram, as importações brasileiras desse mercado cresceram num ritmo bem mais lento. O Brasil importou nos primeiros cinco meses do ano US$ 736 milhões da China, 39% a mais que no mesmo período de 2002.

O resultado foi um aumento de mais de 10.000% do superávit comercial com os chineses.

X