Oferta de área canavieira por preço fixo gera críticas de usinas

Gestores de usinas ouvidos pelo JornalCana reclamam de preços fixos estipulados por fornecedores de terras com cana-de-açúcar. Os proprietários dessas áreas fixam o hectare canavieiro por valores atrelados a litros de etanol e mesmo ao salário mínimo.

Oficialmente, os hectares canavieiros são pagos pelo método Consecana, no qual o valor da tonelada de cana equivale à quantidade de Açucares Totais Renováveis (ATR),

A situação de valor da terra por preço fixo ocorre principalmente no estado de São Paulo e afeta as relações com as usinas que estão às vésperas do início da safra de cana-de-açúcar 2018/19.

“Não é possível aceitar essas condições de preços atrelados ao salário mínimo ou a determinada quantidade de etanol”, critica o diretor de uma usina localizada na região de Araçatuba.

Segundo ele, há fornecedores que pedem o equivalente a 1 mil litros de etanol  por um hectare de cana. Outros pedem um salário mínimo pelo mesmo hectare.

Conforme o executivo da usina, diante a situação sua usina decidiu não adquirir cana de terceiros e só deverá moer a matéria-prima própria na safra 18/19.

Outros gestores de unidades ouvidos pelo JornalCana estudam seguir a mesma decisão tomada pelo diretor da usina localizada na região de Araçatuba.

X