Mão-de-obra qualificada está facilitada

Falar da necessidade de elevar o nível de qualificação da mão-de-obra para suprir a demanda do setor bioenergético é repetir o “óbvio ululante”. No entanto, além das mais variadas iniciativas de entidades ligadas ao setor e também de instituições privadas ou organizações não governamentais, de tempos para cá, os próprios governos, em seus três níveis – federal, estadual e municipal – estão despertando para essa necessidade de forma mais consistente.

O governo do estado de São Paulo, por exemplo, tem feito aportes mais significativos de recursos no ensino técnico de nível médio e também superior, através das etecs e fatecs. Em Adamantina, na Nova Alta Paulista, foram destinados cerca de R$ 3 milhões na ampliação da Etec Professor Eudécio Luiz Vicente, ligada ao Centro Paula Souza, que coordena o ensino profissionalizante no estado.

Segundo Raquel Pereira de Souza, diretora da escola, será construída uma área de 2860 metros quadrados, além de 760 metros quadrados de quadra poliesportiva coberta. Isso equivale a quase duas vezes a atual área construída da escola. “Além de melhorar substancialmente a nossa infra-estrutura, a ampliação das instalações permitirá implantar um novo curso, o de Técnico em Mecânica, com foco no setor sucroalcooleiro. Temos que estar atentos às demandas do mercado de trabalho e essa é uma carência que detectamos em nossa região”, afirma a diretora.

Leia matéria completa na Edição 203 do JornalCana.

X