Maggi desiste da análise sobre o fim da taxação do etanol dos EUA, diz Feplana

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

No centro da polêmica com o setor sucroenergético, desde que informou  à mídia sobre a possibilidade do fim da recente taxação da importação do etanol nos próximos dois anos, o ministro da Agricultura Blairo Maggi enterrou tal ideia na quarta-feira (31/01). A informação, repassada pelo presidente da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana), Alexandre Andrade Lima, revela que em audiência em Brasília o gestor da pasta garantiu ao deputado líder dos Democratas na Câmara Federal, Efraim Filho, e ao secretário paraibano da Agricultura, Rômulo Montenegro, que “não há mais previsão de reversão da taxa para o período”.

“O assunto está resolvido. O ministro se mostrou sensível e afirmou de forma categórica não mexer na questão nos próximos dois anos”, contou Efraim a representantes do setor canavieiro. Andrade Lima revela que a reunião com Maggi foi marcada pelo político após a sua participação, na segunda-feira (29/01), em evento da União Nordestina dos Plantadores de Cana (Unida), realizada na Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan). Ambas as entidades são filiadas à Feplana.

O evento da Unida, em João Pessoa, contou com uma ampla bancada presente de deputados federais e estaduais e o senador Cássio Cunha Lima (PSDB/PB). Todos defenderam a manutenção da referida taxação, a qual já não é do grande total do etanol dos EUA que é importado, mas tão somente de 600 milhões de litros.

O encontro ainda marcou a posse do então presidente da Asplan (José Inácio Morais) na condição de novo presidente da Unida. Foi ele que organizou o evento e aproveitou para solicitar aos políticos para que eles reajam contra ações que venham a afetar a economia frente o impacto negativo à cadeia produtiva da cana.

Bancada

A Feplana parabeniza a iniciativa da Unida e da Asplan e agradece à bancada dos políticos paraibanos, em especial ao deputado Efrain Filho, por intervir em favor do setor sucroenergético junto a Maggi. O setor tem sofrido no mercado interno de etanol diante do amplo crescimento da concorrência desleal com o etanol dos EUA, sem a taxação de 2011 até agosto de 2017, e sua subtaxação desde então. Entre janeiro e julho do último ano o Brasil importou 1,35 bilhão de litros, ante 821,6 milhões de litros em 2016.

“Em 2017, tivemos um aumento de 128% na importação do etanol que entra pelo porto do Maranhão com redução de impostos, em qualquer época, prejudicando toda indústria nacional”, criticou Lima.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.