Lei sobre o uso de vinhaça em MS é proposta por pesquisador

img4927

Durante evento realizado em Maracaju, o engenheiro agrônomo e pesquisador da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Laércio Alves de Carvalho, apresentou uma proposta de criação de um programa estadual de monitoramento da vinhaça, chamado de Promavi-MS.

A preocupação deriva do fato de o Estado do Mato Grosso do Sul ainda não ter nenhuma legislação específica sobre o uso da vinhaça, produto utilizado para fertirrigar os canaviais das próprias usinas.

Segundo Carvalho, hoje em dia, para realizar a fertirrigação as empresas precisam da aprovação do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), do Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) e da análise de risco das usinas.

De acordo com o pesquisador, o programa geraria subsídios para amparar uma lei estadual sobre armazenamento, distribuição e aplicação da vinhaça. Um dos benefícios, por exemplo, seria a definição da dosagem máxima do produto para cada classe de solo, além do desenvolvimento de estudos para determinar as necessidades nutricionais da cultura em diferentes regiões do estado.

As projeções indicam um crescimento de 9,6% na produção de cana-de-açúcar em Mato Grosso do Sul na safra 2012/13, podendo chegar a 37 milhões de toneladas, segundo dados da Associação dos Produtores de Bioenergia do Estado (Biosul). O total mantém o estado posição de quinto maior produtor nacional da cultura.

X