Empresa brasileira pretende produzir etanol de cana na Austrália

Eduardo Lima, da Millenium Bioenergia

O sócio e CEO da Millenium Bioenergia, Eduardo Lima está em fase final de negociações com agentes do governo australiano para investir no País. O executivo pretende construir duas unidades industriais de etanol na região de Queensland, que fica no Norte do país. “Serão duas unidades indústrias (de cana e de milho) trabalhando “no mesmo site” de forma simultânea e continua, com o milho sendo processado 355 dias/ano. Por isso, a denominação, batizada por nós, de Full Flex, que é um modelo diferente das atuais 4 usinas apenas “Flex” que são adaptações para que o milho seja processado na entressafra, quando a usina está parada”, explica Lima.

Leia mais: Usina de etanol de milho tem lucro no primeiro ano

Mas quem é a Millenium Bioenergia?

Em entrevista ao site do JornalCana, Eduardo Lima fala sobre a atuação da Millenium Bioernegia no mercado de etanol.

Quais são as plantas em que a empresa atua na produção de etanol?

Estamos desenvolvendo um greenfield no Mato Grosso em uma região localizada a 100 km de Sinaop. É uma unidadeFull Flex de processamento de milho. Possuirá a tecnologia americana mais eficiente do mundo, que extrai 450 litros de etanol por tonelada de milho processada — a tonelada de cana não passa de 87 litros.

Qual será a quantidade de produção?

A produção total do empreendimento, para um plantio de 700 mil toneladas de cana, será de 150 milhões de litros de etanol, sendo 50 milhões de etanol de cana e 100 milhões de etanol de milho, mais 60 mil toneladas de DDGS (resíduo seco de milho), utilizado na versão convencional (60%) para alimentação de animais confinados como gado, porcos aves e na versão Premium (40%) para exportação direcionada ao mercado Chinês, porque possui alto índice de proteína.