Inflação fica em 0,28% e dá sinais de estabilidade em São Paulo

A inflação no município de São Paulo dá sinais de estabilidade e, pela quarta semana seguida, mantém-se num intervalo entre 0,25% e 0,35%.

Segundo a Fipe, o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) caiu de 0,31% em maio para 0,28% na primeira quadrissemana de junho. Trata-se do menor índice desde a segunda quadrissemana de julho de 2002 –mas o índice já havia ficado nos mesmos 0,28% na terceira quadrissemana de maio.

O grupo Vestuário apresentou inflação de 1,48% e continuou a ser a principal fonte de pressão sobre os preços. A explicação é a chegada do frio, que “aquece” a demanda por roupas e acaba elevando seus preços.

Os demais grupos de produtos apresentaram as seguintes variações: Alimentação (0,00%), Habitação (0,56%), Saúde (0,62%), Educação (0,12%), Transportes (-0,82%), e Despesas Pessoais (0,79%).

A Fipe calcula o IPC no município de São Paulo para as famílias com renda entre 1 e 20 salários mínimos.

Outros índices

A Fundação Getúlio Vargas divulgou ontem que o IGP-DI de maio registrou deflação de 0,67%, o maior recuo desde setembro de 1995.

O IGP-DI é um índice que reflete melhor a variação dos preços no atacado. No entanto, essas reduções de preço para compras entre empresas não têm beneficiado o consumidor na mesma intensidade.

O IPCA, índice calculado pelo IBGE que serve de base para as metas de inflação e também reflete com mais fidelidade os preços ao consumidor, registrou inflação de 0,61% em maio, acima das expectativas dos analistas de mercado.

X