Importações caem mais que exportações favorecendo balança

A média diária das exportações brasileiras caiu 30% em julho, comparado ao desempenho verificado no mesmo mês do ano passado. Como a média das importações também foi menor no período, 38,7%, a balança comercial do mês teve resultado positivo de US$ 2,151 bilhões, no acumulado do mês.

No período, as exportações somaram US$ 8,088 bilhões e as importações US$ 5,937 bilhões. As importações vêm caindo num ritmo maior que as exportações, desde março, e, com isso, o saldo comercial do acumulado do ano soma US$ 16,138 bilhões, com aumento de 23,2% sobre o saldo obtido em igual período de 2008. O detalhamento da balança comercial foi divulgado nesta segunda-feira (20) pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Neste mês, até o último dia 17, o Brasil teve quedas significativas de vendas externas nas três categorias de produtos, em relação a julho de 2008. Exportou! 44,4% menos de semimanufaturados (alumínio em bruto, ferro fundido, ferroliga, catodos de cobre e óleo de soja), menos 35,3% de produtos manufaturados (óleos combustíveis, aviões, automóveis, etanol) e menos 18% de produtos básicos (minérios de ferro e cobre, carnes e soja em grão).

Quanto às importações, as reduções mais acentuadas no mês, comparadas a julho do ano passado, foram registradas nas compras de adubos e fertilizantes (-59,1%), seguidas por combustíveis e lubrificantes (-54,5%), produtos siderúrgicos (-49,9%), equipamentos eletroeletrônicos (-36,3%), automóveis e partes (-34,3%) e equipamentos mecânicos (-33,4%).

Com a tendência de queda menor nas exportações que nas importações, os percentuais de queda do acumulado do ano, com 135 dias úteis, estão em 22,7% para as exportações e em 29,6% para as importações.

Há sinais, no entanto, de que essa relação possa se alterar um pouco, e isso já foi registrado no comportamento comercial deste mês, em relaç! ão ao mês passado. A média diária das exportações brasileiras diminuiu 9,7%, enquanto a queda das importações foi de apenas 2,6%.

X