Programas de melhoramento de cana articulam uso de R$ 16 milhões em busca de novos materiais

Os três principais programas de melhoramento da cana-de-açúcar articulam a utilização de R$ 16 milhões para o desenvolvimento tecnológico da cultura no país através do Pluricana.

Conhecido como Programa Plurianual Integrado de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) em Cana-de-açúcar, o Pluricana é financiado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e terá duração de dois anos e meio.

Os recursos serão aplicados para pesquisas áreas de  melhoramento genético convencional e assistido da cana-de-açúcar, introdução e quarentena de plantas, sistemas de produção e biotecnologia avançada em cana. O programa pretende estudar soluções para a cogeração de energia, com culturas como Arundo donax (cana gigante), capim-elefante, casca de coco-verde, sorgo sacarino e sorgo biomassa.

Ampliação de programas

Parte dos recursos do Pluricana serão dedicados para a para ampliação e manutenção das estações de cruzamento genético do Instituto Agronômico, localizada na Bahia, e da Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroenergético (Ridesa).

O programa reúne 22 instituições públicas de pesquisa e ensino.

Demanda por pesquisa

Com mais de 10 milhões de hectares de cana-de-açúcar os diversos segmentos de pesquisa na área agrícola demanda ampliação dos grupos de pesquisas para promover novas tecnologias e incrementos na produtividade. Segundo Marcos Landell, pesquisador do IAC, a falta de recurso para a pesquisa canavieira impacta negativamente o setor. “O setor de pesquisa da cana demanda uma ampliação de seus grupos em diversas áreas, se este movimento não ocorrer, podemos experimentar um vazio tecnológico na cadeia produtiva, pois haverá a demanda por cultivos em novas áreas e pela ampliação da produtividade em áreas cultivadas”, alerta o pesquisador.