Governo poderá comprar usina de álcool de Barbalha

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A aprovação da mensagem enviada pelo Poder Executivo estadual pela Assembleia Legislativa, no último dia 29, que permite ao governo participar de leilão para adquirir a Usina Manoel Costa Filho, em Barbalha, obteve ampla repercussão favorável na região do Cariri cearense. Lideranças políticas, empresariais e sindicais comemoraram a decisão dos deputados estaduais na aprovação.

Desativada em 2005, a usina gerava cerca de 500 empregos e movimentava a economia da região. “Estamos todos satisfeitos e esperamos que esse é o primeiro passo para a retomada de um empreendimento que significa o desenvolvimento da região no setor agroindustrial”, disse o secretário de Agricultura de Barbalha, Elismar de Vasconcelos. “Agora vamos aguardar novas discussões, analisar como será o futuro da empresa, a forma de gerenciamento”.

Na opinião do titular da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), Nelson Martins, a reutilização da Usina Manoel Costa Filho é a chance de dar mais um impulso à economia daquela região. “Existe um anseio generalizado na região pela revitalização da indústria sulcroalcooleira e também da agricultura de cana. Esse projeto vem sendo discutido desde 2009. Foram feitas várias demandas para o governador Cid Gomes nesse sentido. E o governo tem esse compromisso”.

Nelson Martins afirma que foi realizado um estudo aprofundado por consultoria especializada contratada pelo governo a fim de identificar o valor da usina. O leilão pela Justiça deverá ocorrer no próximo dia 7 de junho, ao meio-dia, na Caixa Econômica Federal, da Avenida Santos Dumont, em Fortaleza. “O valor hoje é de R$ 25.801.078,42, mas o lance mínino será 60% desse montante, R$ 15.480,00 aproximadamente. Com a aprovação do projeto de lei na Assembleia na quarta-feira última, o governo poderá participar com o lance mínimo”, disse. Segundo o titular da SDA, caso o governa consiga rematar o empreendimento pelo lance mínimo, sairá mais barato para o governo estadual do que adquirir uma nova.

“No máximo, segundo a consultoria, o governo disponibilizaria outros R$ 30 milhões. O total ficaria em torno de R$ 45 milhões ou R$ 50 milhões. Uma usina nova sairia por R$ 123 milhões. O governo pagaria ainda impostos como o ITBI e comissão do leiloeiro, mas as dívidas anteriores da usina pertencem aos donos antigos. O governo não ficará com esse ônus”, assegura o secretário.

Conforme o secretário, esse investimento teria retorno para os cofres públicos porque o controle acionário da usina renovada seria, aos poucos, repassado para parceiros da iniciativa privada. Além disso, haveria um outro tipo de ganho no setor de agricultura no Cariri. O governo funcionaria como indutor nesse processo de revitalização que contaria também com a recuperação do plantio de cana-de-açúcar, gerando emprego no campo. De acordo com levantamento da Ematerce, há cerca de nove mil hectares em condição de produzir de cana-de-açúcar nos municípios da região.

Barbalha, Crato, Jardim e Missão Velha são os municípios com maior potencial de produção da cultura. “Os vales úmidos existentes na região são próprios para o cultivo de cana-de-açúcar”, observou o secretário de Agricultura do município do Crato, Enrile Pinheiro. “Todas as lideranças regionais são favoráveis a esse projeto de lei, a iniciativa do governo para ativar a usina”.

Enrile Pinheiro acredita que a partir do ingresso do governo do Estado, a luta de mais de cinco anos será vitoriosa. “Sem a participação do governo ficaria difícil resolver esse problema”, observou. “A decisão, ao nosso ver, foi acertada e representa a aplicação de uma política de governo voltada para o desenvolvimento do setor agroindustrial da cana-de-açúcar”.

Ex-fornecedores, lideranças políticas, produtores rurais, ex-funcionários esperam com expectativa uma solução positiva para a aquisição da usina, pagamento das dívidas e retomada do investimento a partir da produção de açúcar e álcool. “Esperamos recuperar todo o canavial da região, incentivando os produtores”, disse o secretário de Agricultura de Barbalha, Elismar de Vasconcelos.

Um dos primeiros parlamentares a abordar a questão foi o deputado estadual Vasques Landim. O ex-prefeito de Aurora e suplente de deputado estadual, Carlos Macedo, considerou fundamental a reativação da usina para o crescimento do setor agrícola. O presidente da Câmara Municipal de Barbalha, Daniel Barreto, observou que a iniciativa vai assegurar a geração de centenas de emprego.

A decisão do governo de participar do leilão da usina foi adotada após ampla discussão com lideranças do Cariri.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.