Governo do Sudão quer privatizar fábricas de açúcar

Com o objetivo de obter recursos financeiros para permitir a expansão e aumentar a produtividade das indústrias sucroenergéticas do Sudão, o Ministro da Indústria do país, Abdel Wahab Mohamed Osman, declarou esta semana que o governo não tem opção a não ser privatizar várias fábricas de açúcar. Para isso, as autoridades sudanesas pretendem vender 70% de suas ações em quatro fábricas de açúcar, incluindo Aljunied, Halfa Al-Gadida, Asalaya e Sinnar a investidores privados, mantendo os 30% restantes. Ele reconheceu a incapacidade do governo para oferecer US$ 800 milhões para renovação das fábricas de açúcar, dizendo que o tesouro do ministério das finanças é desprovido de “um único centavo”.

O ministro defendeu a decisão de privatizar antes da assembleia nacional apontar que as empresas açucareiras estatais solicitaram por dois anos € 120 milhões para financiar a renovação de fábricas de açúcar. Mas como o país sofre embargo norte americano, os parlamentares reconheceram as dificuldade de obtenção de qualquer financiamento externo e sugeriu que as receitas de fábricas de açúcar não sejam utilizadas para apoiar a indústria, mas depositado junto do Ministério das Finanças para ser usado de acordo com as suas prioridades.

img7098

Osman salientou que a parceria proposta será baseada em condições estritas e regulamentos, nomeadamente de propriedade integral do governo de seus ativos fixos nas fábricas de açúcar que foram identificadas por meio de casas de conjuntos de especialização, incluindo o conselho consultivo da Universidade de Khartoum e outra casa Europeia.

Ele salientou ainda que a relação entre os agricultores e as empresas não serão afetadas e ressaltou que as empresas têm como objetivo aumentar a capacidade de produção de 350.000 toneladas para 700.000 toneladas e produzir 170 megawatts de energia elétrica a partir de resíduos de açúcar.

O chefe da subcomissão parlamentar sobre Energia, Minas e Indústria, Omer Adam Rahma, por sua vez, exigiu que as relações de parceria variem entre 70% e 30% e que não seja aplicado antes de determinar o valor dos ativos fixos do governo.

Os legisladores ressaltaram que qualquer decisão sobre a privatização deve envolver todas as partes interessadas e exigiram que os novos investidores forneçam garantias de continuidade e estabilidade dos preços do açúcar.

Osman negou que a privatização levaria a demissões de trabalhadores, dizendo que, em vez disso, vai aumentar seus números e competências através da qualificação. As informações são do Sudan Tribune.

X