Governo brasileiro rejeita venda de terras para empresários iranianos

O governo federal rejeita a possibilidade de vender terras para o cultivo de soja e milho a empresários iranianos para a produção de etanol destinado ao mercado do Irã, afirmou nesta segunda-feira o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes.

“Isso não segue nosso modelo de desenvolvimento nem nos interessa. Se houvesse demanda, temos gente suficiente e agricultores capacitados que poderiam aumentar o uso da terra”, disse o ministro a jornalistas antes da reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu colega do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, hoje em Brasília.

O embaixador do Irã no Brasil, Mohsen Shaterzadeh, tinha falado anteriormente que empresários iranianos gostariam que os governos dos dois países negociassem a venda de terras para produzir etanol em solo brasileiro e exportar toda a produção para a república islâmica.

Brasil e Irã assinaram nesta segunda-feira outros acordos na área agrícola, relacionados à formação de pesquisadores iranianos nos cultivos de cana-de-açúcar e algodão, ao desenvolvimento de tecnologias para áreas secas, à troca de material genético e à cooperação em biotecnologia.

Ahmadinejad fez nesta segunda-feira uma visita de um dia de duração a Brasília, na qual deu as boas-vindas ao Brasil como mediador nos conflitos no Oriente Médio, enquanto Lula defendeu o direito de o Irã ter um programa nuclear com fins pacíficos.

De acordo com a programação oficial, o presidente iraniano viaja às 5h desta terça-feira para a Bolívia e depois vai à Venezuela, os outros dois países incluídos em sua viagem pela América.

X