Glencore caminha para se tornar gigante do setor sucroenergético

A trading suíça Glencore caminha para se tornar gigante do setor sucroenergético. Hoje a Glencane, empresa da Glencore que controla duas unidades no interior paulista, tem capacidade de moagem de 4,950 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por safra.

Mas caso a trading negocie a incorporação das oito unidades sucroenergéticas da Bunge, a capacidade de processamento saltará para 26 milhões de toneladas de cana por safra.

Com as 26 milhões de toneladas, a Glencore passaria a ocupar a quarta posição no ranking de maiores grupos sucroenergéticos do Brasil. Só perderia para a Raízen, Biosev e Odebrecht. E passaria à frente da Tereos, que tem capacidade de processar 19,6 milhões de toneladas, conforme a plataforma de dados do setor Infocana.

Ranking das players em moagem: 

Fonte: Infocana

Negociação

Em maio último, a mídia internacional divulgou que a Glencore estaria em negociações com a americana Bunge.

Clique aqui para ler um dos conteúdos relacionados ao tema.

Em 23/05, Charles Watenphul, da área de Mídia da Glencore, divulgou nota na qual confirma que a Glencore Agriculture Limited (GAL) “fez abordagem informal para a Bunge Limited quanto a uma possível combinação de negócios consensual.”

A GAL é uma joint venture agrícola não consolidada da Glencore.

Conforme a nota assinada por Watenphul, por se tratar de uma abordagem informal da GAL, “as discussões podem ou não se materializar e não há certeza de que qualquer transação ocorrerá.”

Estrutura

Atualmente, a Glencane, braço sucroenergético da Glencore no Brasil, controla duas unidades produtoras no estado de São Paulo: a Rio Vermelho, no município de Junqueirópolis, e a unidade adquirida no fim de 2016 da Unialco localizada em Guararapes.

Neste ano, circularam informações de que a Glencore também estaria negociando a aquisição da unidade Alcídia, hoje controlada pela Odebrecht Agroindustrial. A trading, entretanto, negou as negociações.

 

 

 

 

 

X