Forte recuperação dos preços internacionais do açúcar

Os preços internacionais do açúcar acumulam aumento de 11,2% nos últimos doze meses. A valorização das cotações futuras reflete o longo período de estiagem sobre os canaviais do Centro-Sul do Brasil, principal região produtora do País, e o atraso da colheita de beterraba na União Européia, de acordo com Salmeron Ratsbone, analista de açúcar da União Corretora. Há exatamente um ano, as expectativas de preços do açúcar eram de queda abrupta por conta da maior oferta do produto.

“Também houve uma antecipação da moagem de cana-de-açúcar no Brasil, o que se refletiu na perda de rendimento da matéria-prima”, diz Ratsbone. Além disso, a seca prejudicou a qualidade da cana. O reflexo deve ser uma safra entre 5% e 10% menor.”As usinas sucroalcooleiras tiveram suas metas frustradas. Em alguns casos, houve perda de produção em torno de 300 mil a 400 mil sacas por indústria”, afirma.

Segundo Rastbone, as indústrias também priorizaram as exportações em razão do dólar valorizado sobre o real. “No mercado interno, a oferta ficou restrita”, diz.

Mais remunerador, o mix de açúcar foi maior este ano que o do álcool e deve fechar a safra em 52% – o maior índice dos últimos anos, período em que o álcool dominou o cenário sucroalcooleiro.

Em alta

(Desempenho dos preços internacionais do açúcar em Nova York – centavos de dólar por libra-peso)

Novembro/01- 6,79

Dezembro/01- 7.17

Janeiro/02- 7,01

Fevereiro/02- 5,82

Março/02- 5,43

Abril/02- 5,03

Maio/02- 5,27

Junho/02- 5,50

Julho/02- 5,74

Agosto/02- 5,91

Setembro/02- 6,13

Outubro/02- 6,88

Novembro/02- 7,55

Fonte: Bolsa de Nova York

X