Faemg pede ao governo medidas contra crise no campo

A Faemg (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) entregou ao vice-presidente da República, José Alencar, e ao governador em exercício, Antonio Anastasia, um documento pedindo medidas urgentes para a crise do café, cana e leite. Ambos já ressaltaram que a agropecuária é setor prioritário para a economia nacional e mineira.

No caso do setor sucroalcooleiro, o principal problema é a falta de recursos. Segundo o presidente da Faemg, Roberto Simões, reeleito na semana passada, em Belo Horizonte, há usinas que não estão pagando seus fornecedores pela baixa disponibilidade de crédito, reflexo da crise global. “Os produtores amargam queda da renda e alta dos custos de produção”, disse.

Ao lado de Roberto Simões, compõem a nova diretoria-executiva da Faemg o diretor-secretário, Marcos de Abreu e Silva; e o diretor-tesoureiro, João Roberto Puliti. O novo mandato vai até novembro de 2011. Entre as metas da diretoria, estão o incremento do processo de interiorização das ações da Faemg, a consolidação da formação de novas lideranças e o fomento dos processos de gestão com qualidade nos negócios rurais. Também irá revigorar o programa de realização de grandes eventos.

Outro objetivo da diretoria reeleita é aumentar a prestação de serviços aos associados, para atrair um número cada vez maior de produtores ao Sistema Sindical Rural. Roberto Simões revela que a Faemg pretende firmar convênios com grandes fornecedores, como empresas de seguros, de fertilizantes, de máquinas e veículos, estabelecendo compras conjuntas, com vantagens para os adquirentes. “Queremos dinamizar o nosso sistema”, disse.

X