Exportações aumentam em Sertãozinho e Franca

As regionais do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de Sertãozinho e Franca foram as únicas da região a registrar altas nas exportações de janeiro e setembro. O total exportado em Sertãozinho cresceu 35,8% e, em Franca, 9,9%, na comparação com o mesmo período de 2008.

Nas outras quatro diretorias do Ciesp na região -Ribeirão Preto, Araraquara, Matão e São Carlos- as variações são negativas. Os dados fazem parte de uma análise feita pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) com base em números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

No acumulado das seis diretorias do Ciesp na região, o total exportado de janeiro a setembro foi de US$ 3,7 bilhões, ante US$ 4 bilhões em 2008 -queda de 8,8%. O desempenho negativo da região é inferior ao registrado no Estado (-32,5%) e no país (-25,9%).

A regional de Ribeirão Preto é a décima colocada no ranking estadual de exportações da Fiesp -as vendas ao exterior também caíram 6,2%.

Os números positivos de Sertãozinho foram impulsionados principalmente pela venda de açúcar e álcool para o exterior. A produção sucroalcooleira corresponde a 42,6% de tudo que foi exportado. O diretor do Ciesp, Adézio Marques, afirmou que a venda de usinas para o exterior também influenciou.

O pior desempenho nas exportações foi registrado pela regional de São Carlos. O total vendido para o exterior caiu 32%: de US$ 415,3 milhões, no ano passado, para US$ 282,4 milhões, em 2009.

O diretor do Ciesp de São Carlos, Ubiraci Moreno Pires Corrêa, disse que as exportações de duas das principais empresas da cidade -Volkswage! n e Tecumseh- caíram por causa da crise, o que puxou para baixo os números da regional.

Já nas importações, apenas as regionais de Araraquara e Franca têm números positivos entre as seis. Mas o desempenho de ambas foi suficiente para que o total importado de janeiro a setembro na região seja 8,7% maior do que em 2008. Em Araraquara, o total comprado de outros países cresceu 66,7% neste ano, ante 2008.

Segundo a diretora do Ciesp de Araraquara, Eneida Miranda de Toledo, a alta nas importações reflete a confiança das empresas em aumentar, também, as vendas para o exterior. Isso porque a maior parte das importações é de equipamentos e maquinários que serão usados pelas indústrias para a produção. “Há uma boa perspectiva de retomada das exportações”, afirmou Toledo.

X