Europeus reagem e acusam o Brasil de subsidiar os produtores de cana

A União Européia (UE) acusou, na última semana, o Brasil de ter subsidiado os produtores de cana-de-açúcar em mais de US$ 4 bilhões pelo programa Proalcool e não descarta apelar à Organização Mundial do Comércio (OMC) contra as práticas do País. A denúncia foi feita durante a reunião que o Brasil havia convocado para questionar os subsídios agrícolas da UE ao setor açucareiro.

Para a UE, o Brasil aumentou suas exportações de açúcar de 1,6 milhão de toneladas, no início dos anos 90, para mais de 12 milhões neste ano. Além disso, a produção nacional teria quadruplicado desde 1970. “Isso não seria possível sem um grande apoio governamental”, afirmou Mary Minch, principal negociadora de Bruxelas durante o encontro que reuniu mais de 70 negociadores.

O secretário de Produção do Ministério da Agricultura, Pedro Camargo Neto, garante que os únicos subsídios que existem no setor são destinados ao produtores do Nordeste e que são todos notificados na OMC.

O encontro, iniciado anteontem, teria como objetivo dar a oportunidade para as partes explicarem os aspectos técnicos de suas posições e, eventualmente tentar encontrar uma solução mutualmente aceitável para a queixa do Brasil contra a UE. Mas a reunião, que normalmente ocorre entre técnicos dos vários governos, ganhou um caráter político inédito na OMC.

Os europeus conseguiram trazer para Genebra ministros do comércio e da agricultura das ex-colônias da África, Ásia e Caribe (ACP) para mostrar que a iniciativa do Brasil, apoiada pela Austrália, conta com a oposição de um grupo significativo de países em desenvolvimento. (Panorama Brasil)

X