Etanol volta a perder competitividade

O etanol hidratado voltou a perder competitividade em relação à gasolina nos postos na última semana em meio à redução da produção do biocombustível em relação à safra passada. Na semana entre 21 e 27 de agosto, os preços do etanol subiram em 13 Estados e no Distrito Federal, mantendo-se competitivos em apenas duas unidades federativas: São Paulo e Mato Grosso.

Conforme levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço do etanol hidratado continuou equivalendo a 66% do valor da gasolina nos postos paulistas – abaixo de 70%, que é a paridade de rendimento energético entre os dois combustíveis, segundo consenso no mercado. Em uma semana, o preço médio do etanol no Estado caiu 0,52%, para R$ 2,274 o litro.

Em Mato Grosso, o preço subiu 0,77%, para R$ 2,471 o litro. Com isso, a vantagem sobre a gasolina se reduziu ligeiramente, já que o valor do biocombustível ficou em 67% do preço do combustível fóssil, 1 ponto percentual a mais que na semana anterior.

Já em Minas Gerais, um dos principais centros consumidores do país, onde o etanol vinha se mantendo abaixo de 70% do valor da gasolina há alguns meses, o preço médio subiu 0,19%, para R$ 2,571 o litro. Com isso, a correlação do preço do biocombustível com a gasolina subiu para 70% (1 ponto a mais do que na semana anterior), perdendo vantagem competitiva.

No Paraná e em Goiás, onde o etanol chegou a ficar mais competitivo que a gasolina alguns meses atrás, o preço do produto ficou em 71% do valor do combustível fóssil. As altas mais expressivas dos preços do etanol ocorreram no Rio Grande do Norte (alta de 1,53%, para R$ 3,179 o litro) e Espírito Santo (alta de 1,13%, a R$ 3,127 o litro).

Segundo Julio Borges, diretor da Job Economia, os preços do etanol hidratado estão cerca de 20% acima dos patamares de igual época do ano passado, o que tem retraído o consumo do biocombustível. Em julho, as vendas do etanol caíram 15% e acumulam recuo de 14% no ano.

O mercado do biocombustível tem encolhido neste ano como reflexo da preferência que as usinas têm dando para a produção de açúcar, que está mais lucrativo.

Para as usinas, os preços do etanol recuaram ligeiramente no último mês, mas seguem bem acima dos níveis de 2015. Na semana entre 22 e 26 de agosto, o indicador Cepea/Esalq para o etanol hidratado em São Paulo ficou em R$ 1,5473 o litro, 1,5% abaixo do indicador de quatro semanas atrás, mas 31% acima do patamar da mesma semana do ano passado.

Para Martinho Ono, presidente da SCA Trading, essa leve queda dos preços para as usinas reflete o avanço da moagem da safra e deve ser interrompida com o início da entressafra.

Fonte: (Valor)

X