Etanol fica mais barato em 12 Estados

etanol-combustível-postoA pouco mais de um mês da reunião que deve confirmar o aumento da mistura de etanol anidro na gasolina, governo, setor sucroenergético e indústria automobilística ainda não chegaram a um acordo sobre o porcentual a ser aplicado. A expectativa inicial era de que a proporção subisse de 25% para 27,5%, mas dificuldades quanto à medição desse 0,5 ponto porcentual podem limitar o incremento a 27%.

A questão foi debatida na última sexta-feira (12/12) durante a Mesa Tripartite, coordenada pelo Ministério de Minas e Energia (MME) e que reúne integrantes do governo, de distribuidores de combustíveis e da cadeia produtiva de açúcar e álcool. “O problema existe, porque as provetas atuais não medem o 0,5 ponto porcentual. Teria de se administrar muito bem o nível de mistura. Assim, por comodidade, surgiu a ideia dos 27%”, contou o diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), Antonio de Padua Rodrigues.

Pela lei atual, o governo pode aplicar um porcentual entre 18% e 27,5% para a mistura de anidro na gasolina. A banda consta da Medida Provisória 647, aprovada pelo Congresso em setembro e sancionada pela presidente Dilma Rousseff no mesmo mês. A efetivação do novo porcentual depende, no entanto, de autorização do Conselho Interministerial de Açúcar e Álcool (Cima).

Na última terça-feira, o presidente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes (Sindicom), Alísio Vaz, disse no Rio que o porcentual deve ser de 27% por conta de dificuldades no controle e medição das frações para os centros de distribuição. Segundo ele, a previsão é de que a mudança seja adotada a partir de 1º de fevereiro.

Se confirmada, a aplicação do novo porcentual se daria antes da reunião do setor sucroenergético e da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) com o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, marcada para 2 de fevereiro. De acordo com Rodrigues, da Unica, isso não está descartado, já que os testes de durabilidade de peças e em automóveis importados devem ser concluídos em janeiro.

Fontes do segmento sucroalcooleiro se mantêm confiantes ainda na aplicação do porcentual de 27,5% de mistura. “Recentemente surgiu uma alternativa, que é utilizar provetas maiores e que ‘pegam’ o 0,5 ponto porcentual”, disse um importante representante do setor, que não quis se identificar. Já o líder de uma associação frisou que os testes conduzidos pelo Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes) foram positivos para o porcentual de 27,5% e para outros ainda mais elevados, como 30%. Em razão disso, afirmou ele, são grandes as chances de o governo optar mesmo pelos 27,5%.

(Fonte: Estadão Conteúdo)
X