Etanol de milho também é tendência no Canadá, diz Abramilho

Mesmo não produzindo milho suficiente para o consumo, o uso do milho para a produção de etanol também é uma realidade no Canadá. As importações do grão vêm dos Estados Unidos, que também seguem determinados a produzir etanol de milho para adicionar à gasolina.

A produção canadense anual gira ao redor de 10 milhões de toneladas, com uma importação superior a dois milhões de toneladas dos Estados Unidos. A constatação é de Odacir Klein, presidente- executivo da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), que percorreu as províncias de Ontário e Quebec, na última semana de setembro.

Segundo ele, 500 produtores de milho de Quebec, por exemplo, constituíram um grupo denominado Pro-Ethanol, com a obrigatoriedade contratual de fornecer, cada um deles, um total anual de 250 toneladas do grão a uma usina de etanol instalada na cidade de Varennes, em Saint-Hyacinthe, um pólo agrícola, industrial e tecnológico.

De acordo com o presidente do grupo Pro-Ethanol, o produtor Germain Chabot, “a garantia de venda para uma usina de etanol, para nós, produtores de milho, é uma agregação de valor e um estímulo à produção”.

Conforme informações colhidas pelo presidente-executivo da Abramilho, o Ministério da Agricultura e Agroalimentação do Canadá acaba de lançar um programa nacional denominado ecoAgriculture Biofuels Capital (ecoABC), que libera recursos para estimular a expansão dos biocombustíveis.

Em Toronto, Ontário, os ônibus da empresa municipal de transporte coletivo (TTC) já utilizam combustível com uma mistura de 5% de biodiesel, mesmo ainda não sendo uma obrigatoriedade legal. Mesmo assim, a província não deverá ampliar o percentual legal de mistura para 10% em 2010, como estava previsto, de acordo com informações locais.

Intercâmbio de tecnologias

Ainda em Ontário, na cidade de Peterborough, Odacir Klein visitou a sede do Greater Peterborough Innovation Cluster, da Trent University. De acordo com Sarah Majeski, vinculada a essa instituição científica, os pesquisadores canadenses têm interesse em manter, via Abramilho, convênios com instituições similares no Brasil para intercâmbio de tecnologias, visando aumento de produtividade. Tais pesquisas beneficiariam especialmente a Ontario Agri Food Technologies (OAFT) e a Grain Farmers of Ontario (GFO).

A programação do dirigente da Abramilho, em sua viagem ao Canadá, além da ajuda da Câmara de Comércio Brasil-Canadá e do escritório de Quebec, em São Paulo, contou com o apoio local de representantes da Canadian Association of Importes and Exporters, da Brazil-Canada Chamber of Commerce e da CLD Les Maskoutairs, uma agência de desenvolvimento tecnológico regional, situada na cidade de Saint Hyacinthe, Quebec.

Abramilho

A Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho) é uma entidade civil com sede em Brasília que mantém como afiliados associações estaduais, independentes ou em parceria, nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Piauí e também no Distrito Federal.

A Abramilho foi criada em 2007, como um movimento espontâneo dos produtores de milho pela necessidade de se organizarem diante dos desafios nacionais e internacionais vivenciados pela cultura nos últimos anos.

X