Especialistas discutem ferramentas para otimização da fermentação industrial

Processo industrial responsável pela otimização dos produtos sucroenergéticos, a fermentação, é etapa crucial no fluxograma industrial. Caso conduzida de maneira correta pode otimizar da produção de etanol, com redução de custos e máximo aproveitamento da matéria-prima.

Com a preocupação de difundir boas metodologias e ferramentas para o melhor desenvolvimento desta etapa, a MC Desinfecção Industrial em parceria com a ProCana Brasil, realizaram em Ribeirão Preto, SP, o curso Controle Microbiológico da Fermentação Etanólica e Bioprocesso. Com duração de dois dois, 11 e 12 de dezembro, o evento levou aos 31 participantes boas práticas para a obtenção de uma fermentação de alta performance.

Segundo o coordenador do curso, professor Mário César Souza e Silva, esta etapa deve ser conduzida com total acompanhamento, que permite correções e ajustes para obtenção de melhores resultados. “O controle microbiológico monitorado traz um acompanhamento de todo processo, que conhecido, podemos corrigi-lo há tempo. Como consequência manteremos a fermentação em alta performance”, explica.

Durante o curso foi apresentado o Kit MC de diagnóstico rápido da contaminação bacterina e sua quantificação precisa, além da interpretação destes resultados e suas possíveis implicações no processo de fermentação etanólica. Os participantes compreenderam como ler os resultados e as interpretações a partir destes pelo gabarito de cores do Kit MC de diagnóstico rápido.

Para a bióloga  Lina Schmith Vitti, palestrante do curso, o evento evidencia a importância do controle da fermentação para redução de perdas. “É importante desenvolvermos o pessoal ligado à fermentação, este assunto precisa ser mais discutido. As perdas ligadas à produção do etanol estão relacionadas à microbiologia.

Segundo Maria Angélica Elias Garcia, microbiologista da Usina Santa Adélia, a possibilidade de discutir a fermentação através de números, fortalece os conhecimentos sobre o processo. “A oportunidade de conhecer cálculos fundamentais para otimização do produção de etanol é fundamental para termos maior controle durante a operação”, explica.

A matéria completa estará disponível na edição 253 do JornalCana.

 

X