Engenheiro projeta quanto de etanol e de eletricidade são obtidos com o uso de palha

Lamônica durante palestra em 19/09 no evento da ProCana Sinatub

O engenheiro Hélcio Lamônica, da HML Consultoria, apresenta estratégias sobre o uso da palha de cana-de-açúcar para gerar excedentes de eletricidade e etanol de segunda geração.

Como dimensionar a turbina de geração para utilizar palha? Quanto de palha deve ser empregado e como essa matéria-prima deve chegar até a indústria?

E quanto de etanol de primeira e de segunda gerações e de eletricidade podem ser obtidos com o uso de palha? 

Essas perguntas são respondidas por Lamônica em sua apresentação durante a 16a. edição do Curso de Caldeiras, Vapor e Energia realizado pela ProCana Sinatub entre os dias 19 e 20 de setembro em Ribeirão Preto (SP).

O JornalCana apresenta a seguir slides da apresentação de Lamônica com indicações de como usar a palha da cana para gerar excedentes de eletricidade.

Premissas

 

Estratégia em equipamentos e utilidade

 

 

Estratégias para a recuperação da palha

 

Palha na carga + enfardamento 

 

 

Como deve ser a integração

 

 

Durante sua palestra no evento da ProCana Sinatub, Hélcio Lamônica apresentou indicações de como a palha da cana-de-açúcar deve ser empregada no processo de produção de etanol celulósico, o 2G.

 

Como deve ocorrer a integração na usina para etanol 2G

 

Leia também: 

Biosev vende unidade Estivas por R$ 203,6 milhões

 

Quanto de etanol 1G e 2G é obtido com o emprego da palha e bagaço

 

E quanto de eletricidade é obtida com a injeção de biomassa de cana apenas para a termelétrica

 

 

Impacto do emprego de biomassa para 2G e para eletricidade

 

 

Comparativos do emprego de biomassa excedente nos equipamentos

 

 

Contatos com o palestrante: 

 

 

 

 

 

 

X