Emprego na indústria em SP inicia trimestre fraco

O mercado de trabalho na indústria paulista perdeu força em outubro, movimento que deve se aprofundar até o fim do ano em razão das demissões do setor sucroalcooleiro que sempre ocorrem nesse período, avaliou a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) nesta quinta-feira.

Dados da Fiesp mostraram que a indústria paulista gerou 1.500 vagas em outubro, o que significa uma queda com ajuste sazonal de 0,06 por cento sobre setembro, a primeira baixa desde abril, mas uma alta sem ajuste de 0,07 por cento.

A Fiesp manteve sua previsão de uma elevação do emprego de 4 por cento neste ano -o equivalente à abertura de cerca de 110 mil vagas-, uma desaceleração ante o avanço acumulado de janeiro a outubro, de 8,13 por cento.

“O setor sucroalcooleiro já começou a demitir em outubro. Em novembro e dezembro ele demite mais, é sazonal (devido à entressafra),” disse Fátima Barboza, supervisora do departamento de pesquisas econômicas da Fiesp.

“Novembro e dezembro são claramente meses negativos para a indústria.”

Dos 22 setores pesquisados, 13 reportaram contratações em outubro -contra 18 em setembro-, sete relataram demissões e dois informaram estabilidade do mercado de trabalho.

“Isso mostra que estamos caminhando para estabilidade do emprego, mais do que um emprego crescente,” afirmou Walter Sacca, diretor-adjunto do departamento.

Além do comportamento do setor de açúcar e álcool, Sacca citou questões mais gerais como obstáculos à indústria: real forte e taxa de juros alta. “Os dados mostram uma tendência nítida de deterioração e aí a gente volta aos nossos velhos vilões: câmbio e juros,” disse ele.

O emprego na indústria paulista foi fortemente abatido pela crise econômica mundial recente, apresentando quedas significativas entre o fim de 2008 e meados de 2009, quando deu início a uma tendência generalizada de recuperação que começou a perder força na primeira metade deste ano. Esse perda de dinamismo deve-se ao esgotamento do espaço pós-crise para crescer a taxas elevadas, dos problemas citados por Sacca e, agora, pelo comportamento do segmento sucroalcooleiro.

SETORES

Os destaques de queda em outubro foram Fabricação de coque, de produtos derivados de petróleo e biocombustíveis, que produz álcool, com recuo de 4,2 por cento, e Bebidas, com queda de 2 por cento.

Em número de vagas, o destaque de baixa foi o setor Produtos Alimentícios, que inclui o açúcar, com o fechamento de 3.369 postos de trabalho, seguido pelo segmento de Fabricação de coque, de produtos derivados de petróleo e biocombustíveis.

Segundo a Fiesp, o setor de açúcar e álcool teve uma contribuição negativa de 0,21 ponto percentual para o índice de emprego do mês, com ajuste sazonal, sendo que os demais setores tiveram contribuição positiva de 0,28 ponto.

A principal alta do emprego em termos percentuais foi de Impressão e reprodução de gravações, com alta de 1,2 por cento. Em número de vagas, o destaque foi Confecção de artigos do vestuário e acessórios, com 1.651 novas ocupações geradas.

X