Dow e Mitsui adiam fábrica de plástico ‘verde’

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A companhia americana Dow Chemical e a trading japonesa Mitsui vão adiar novamente o projeto de construção de uma fábrica de plástico “verde” a partir da cana-de-açúcar no Brasil. Esse complexo, idealizado para ser erguido na cidade de Santa Vitória (MG), está avaliado pelo mercado em cerca de US$ 1,5 bilhão.

O Valor apurou que a Dow deverá se dedicar, no curto prazo, aos projetos mais rentáveis, sobretudo nos Estados Unidos, após a descoberta de grandes reservas de “shale gas” (gás de xisto) na região da Costa do Golfo. A abundância de gás natural em território americano reduz os custos de produção de embalagens de alto desempenho e especialidades químicas, por exemplo.

A fábrica de plástico “verde” foi anunciada pela primeira vez no Brasil em 2007, quando o grupo sucroalcooleiro Santa Elisa, de Sertãozinho (SP), foi apontado como sócio da companhia americana nessa empreitada. Em 2009, a usina, controlada pela família paulista Biagi, passou por sérios problemas financeiros e foi absorvida pelo grupo francês Louis Dreyfus, que não manifestou interesse de tocar o negócio.

Em julho de 2011, a Dow e a Mitsui anunciaram joint venture, com 50% de participação cada uma, para retomar o projeto, que inicialmente previa a construção de uma usina de etanol, com capacidade para esmagar 2,7 milhões de toneladas de cana. A segunda fase incluía uma fábrica integrada para a produção de biopolímeros para a produção de polietileno (PE). Pelas projeções feitas àquela época, o complexo iniciaria suas operações no fim deste ano.

Nos últimos cinco anos, outros projetos com essa mesma finalidade foram anunciados no país. No entanto, apenas a Braskem, do grupo Odebrecht, investiu de fato. A fábrica de plástico “verde” do grupo começou a operar no segundo semestre de 2010 na cidade de Triunfo (RS). A petroquímica nacional manifestou interesse na implantação de sua segunda unidade de PE na região Centro-Sul do país e na construção de uma terceira fábrica, no caso de polipropileno (PP), a partir do etanol. Esses projetos, contudo, ainda não foram levados adiante.

Ao Valor, a Dow informou, por meio de um comunicado, que vai postegar a segunda fase do projeto – a unidade de biopolímeros. A primeira fase, que permanece dentro da programação, inclui a expansão das plantações de cana e construção de uma usina de etanol. Atualmente, as companhias cultivam uma área de 20 mil hectares com a matéria-prima e esperam ter primeira colheita completa em 2014. “A decisão de adiar a segunda fase é movida, principalmente, por um aumento dos custos de projeto, construção e operação das instalações, assim como pelas incertezas em torno da legislação de propriedade de terra no Brasil.”

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.