Do total de usinas de cana, 57% exportam bioeletricidade

Das usinas de cana-de-açúcar em operação, 209, ou 57% do total, exportam bioeletricidade para o mercado. As demais 158, ou 43% do total, operam somente como autoprodutoras.

As informações são de Marcelo Arantes Severi, da TGM, empresa do Grupo WEG, apresentadas durante palestra na 16a. edição do Curso de Caldeiras, Vapor e Energia realizado pela ProCana Sinatub entre os dias 19 e 20 de setembro em Ribeirão Preto (SP).

O montante de teremelétricas apenas autoprodutoras revela que o setor sucroenergético tem muito a crescer no mercado de exportação de bioeletricidade.

Em sua apresentação no evento da ProCana Sinatub, Severi destacou também que das termelétricas das usinas de cana, 100 delas têm menos de 5 megawatts (MW) instalados. Elas podem ampliar essa capacidade instalada e entrar no mercado exportador de bioeletricidade.

Severi apresentou também indicações de investimentos para empresas do setor sucroenergética relacionadas à exportação de bioeletricidade.

JornalCana apresenta a seguir slides da apresentação do executivo da TGM, do Grupo WEG.

 

Potencial da bioeletricidade

Em 2017, o potencial técnico de oferta da bioeletricidade sucroenergética chegou a 144,8 terawatts-hora (TWh). Desse montante, entretanto, segundo o executivo da TGM, do Grupo WEG, ficou em 21,4 TWh.

Potencial e geração efetiva

Severi elencou, no evento da ProCana Sinatub, indicações para aumentar a capacidade instalada de bioeletricidade, ou para a empresa sucroenergética, hoje autoprodutora, entrar no mercado de exportação.

 

Leia também: 

 

Engenheiro projeta quanto de etanol e de eletricidade são obtidos com o uso de palha

 

Estudo de caso

Severi apresenta também um estudo de caso de termelétrica de usina de cana-de-açúcar

 

Situação atual

 

Opção de realizar retrofit 

 

 

 

Outra opção de retrofit apresentada por Severi: 

 

Opção de retrofit para exportar excedentes 20,5 MWh

 

 

Retrofit com instalação de turbina de condensação: 

 

Segundo Severi, da TGM, do Grupo WEG, existe um enorme potencial de exportação de bioeletricidade:

Contatos com Marcelo Severi:

 

 

 

 

 

 

X