Distribuidoras querem novo aumento de até 10% na conta de luz

O novo reajuste extraordinário das tarifas de energia poderá ficar entre 7% e 10% no caso de algumas distribuidoras para compensar o desequilíbrio econômico-financeiro das empresas com a mudança nos critérios de baixa renda.

Segundo o presidente da Abradee (Associação Brasileira de Energia Elétrica), Orlando González, esse percentuais deveriam ser aplicados, principalmente, pelas distribuidoras do Nordeste, onde os consumidores residenciais de baixa renda provocariam um impacto maior nos custos das empresas. O reajuste médio, segundo ele, deverá ser de 3% em todo o país.

A reivindicação das distribuidoras tem como base a alteração do critério para definir o consumidor de baixa renda, o que ficaria caracterizado como um subsídio, mas sem uma fonte de receita para manutenção do equilíbrio dos contratos. (Folha de SP)

X