Crise afeta produção mundial de etanol

A indústria mundial de etanol, até agora em rápida expansão, será afetada pela crise no ano que vem, à medida em que a restrição de crédito interrompe ou desacelera a expansão em várias regiões, informou a consultoria F.O. Licht.

Em documento divulgado na Conferência Mundial de Etanol, que se realiza em Paris, a consultoria estimou que a produção global de etanol deverá atingir quase 90 bilhões de litros em 2009, ante 79 bilhões no ano passado.

Mas, o crescimento anual deve cair para 14,4%, contra um salto de 23,6% entre 2007 e 2008.

“A atual crise financeira não vai continuar sem efeito na indústria de biocombustíveis. Afinal de contas, o etanol é uma indústria de capital de incentivo e manter o setor requer um mercado de crédito em funcionamento”, afirmou a consultoria em um relatório.

Os EUA deveriam produzir um alto volume de etanol neste ano, apesar da crise, mas a F.O. Licht disse que a taxa de crescimento na América do Norte e Central deve cair até mais que a metade no ano seguinte por causa da turbulência.

A consultoria estima que a produção de etanol na América do Norte e Central deve alcançar 42,5 bilhões de litros em 2009, contra 36,8 bilhões neste ano e 26,9 bilhões em 2007.

“A indústria norte-americana está em profunda crise”, informou a F.O. Licht, apontando para a alta nos preços do milho, principal insumo utilizado na produção de etanol do país, e a queda dos preços do etanol.

“Mesmo assim, a indústria ainda espera crescer fortemente em 2009, mas o nível vai depender de solução para a crise de crédito”. Se o principal produtor mundial de etanol permanecer em recessão por um extenso período, a F.O Licht alerta que o aumento da produção pode ser muito menor do que o estimado atualmente.

Já no Brasil, segundo maior produtor de etanol, a projeção de crescimento da Licht indica que a produção deveria crescer em 2008, quando o etanol se mostrou relativamente mais lucrativo do que o açúcar.

Crise afeta produção mundial de etanol

A indústria mundial de etanol, até agora em rápida expansão, será afetada pela crise no ano que vem, à medida em que a restrição de crédito interrompe ou desacelera a expansão em várias regiões, informou a consultoria F.O. Licht.

Em documento divulgado na Conferência Mundial de Etanol, que se realiza em Paris, a consultoria estimou que a produção global de etanol deverá atingir quase 90 bilhões de litros em 2009, ante 79 bilhões no ano passado.

Mas, o crescimento anual deve cair para 14,4%, contra um salto de 23,6% entre 2007 e 2008.

“A atual crise financeira não vai continuar sem efeito na indústria de biocombustíveis. Afinal de contas, o etanol é uma indústria de capital de incentivo e manter o setor requer um mercado de crédito em funcionamento”, afirmou a consultoria em um relatório.

Os EUA deveriam produzir um alto volume de etanol neste ano, apesar da crise, mas a F.O. Licht disse que a taxa de crescimento na América do Norte e Central deve cair até mais que a metade no ano seguinte por causa da turbulência.

A consultoria estima que a produção de etanol na América do Norte e Central deve alcançar 42,5 bilhões de litros em 2009, contra 36,8 bilhões neste ano e 26,9 bilhões em 2007.

“A indústria norte-americana está em profunda crise”, informou a F.O. Licht, apontando para a alta nos preços do milho, principal insumo utilizado na produção de etanol do país, e a queda dos preços do etanol.

“Mesmo assim, a indústria ainda espera crescer fortemente em 2009, mas o nível vai depender de solução para a crise de crédito”. Se o principal produtor mundial de etanol permanecer em recessão por um extenso período, a F.O Licht alerta que o aumento da produção pode ser muito menor do que o estimado atualmente.

Já no Brasil, segundo maior produtor de etanol, a projeção de crescimento da Licht indica que a produção deveria crescer em 2008, quando o etanol se mostrou relativamente mais lucrativo do que o açúcar.

X